Michel G. J. Binet (IR)

Congresso da Associação Portuguesa de Sociologia (APS): Porto, 22-06-2012
Congresso da Associação Portuguesa de Sociologia (APS): Porto, 22-06-2012

CHERCHEUR en TRAVAIL SOCIAL

ANALYSTE de la CONVERSATION

PT. | Professor Adjunto Convidado da ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e de Ciências Sociais – Instituto Politécnico de Portalegre) e Professor Auxiliar do   ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa)

FR. |  Professeur à l’ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e de Ciências Sociais – Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa)

 

esecs-ipp1
ESECS-IPP
Logo 1 ULusíada
ISSSL-ULL

 → Projeto em curso | ACTO ←

Michel Binet - Formation et Parcours professionnel (Prezi)

Keywords

Conversation Analysis / Ethnomethodology / European Societies / Disability Studies / Interactional (Socio)linguistic / (Micro-)Ethnography / Organization Studies / Participatory Action Research / Social Work / Workplace Studies

Email | binetmichel@gmail.com

 Michel Binet Logo2

Investigador Responsável (IR)

do Grupo de Etnometodologia e Análise Conversacional da Clusividade social | GEACC-CLISSIS


Formation AcadémiqueFormação Académica

______

FR. | Sociologue de formation de base (D.E.U.G. – Licence – Maîtrise), j’ai d’abord choisi de situer mes études avancées (D.E.A. de Sciences Sociales / Option « Anthropologie sociale et Ethnologie ») et doctorales dans le champ disciplinaire de l’Anthropologie (Spécialité « Production, Travail et Consommation »), en étroit lien avec celui de la Linguistique (voir CV): Je fais mienne la thèse défendue en Ethnométhodologie, qui consiste à privilégier l’Enquête ethnographique de terrain (fieldwork), renforcée par des Études de corpus d’enregistrements (sonores et/ou vidéo) des comportements d’interaction et de communication (Analyse Conversationnelle & Linguistique interactionnelle), comme approche méthodologique apte à contribuer de façon décisive à l’approfondissement et à la consolidation des savoirs, en de nombreux domaines de la recherche en Sciences Sociales et Humaines.

Me revendiquant de la Recherche-action collaborative en Travail social, je prépare actuellement une seconde Thèse de Doctorat en Service Social, dans le domaine de l’Handicapologie sociale (Disability Studies & Social Model of Disability). Cette Recherche-action collaborative est devenue partie intégrante du projet institutionnel de mon terrain organisationnel, la CERCIMA (Cooperativa de Educação e de Reabilitação do Cidadão Inadaptado do Montijo e de Alcochete), sous la forme d’un Conseil Scientifique, nouvelle Unité organique de l’institution, dont j’assure la coordination.

Titre de la seconde Thèse (en cours d’élaboration) | La co-construction des savoirs professionnels dans le champ de l’handicapologie sociale: Application et implication de l’Analyse Conversationnelle dans la recherche en travail social

______

PT. | Docente e Investigador na área do Serviço Social desde 1996, no Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa (ISSSL – Universidade Lusíada de Lisboa), e, desde 2016, na Escola Superior de Educação e de Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre (ESECS-IPP), doutorei-me em Antropologia (Especialidade « Produção, Trabalho e Consumo »), mediante a defesa de uma primeira tese de doutoramento, que introduziu uma nova abordagem na investigação em Serviço Social, que potencia o estudo direto e micro-analítico dos saberes profissionais: a Análise Conversacional etnometodológica. Investigador integrado do CLISSIS, preparo no ISSSL-ULL uma segunda tese doutoral, em Serviço Social, na área dos Estudos Sociais da Deficiência (Handicapologie sociale / Disability Studies & Social Model of Disability), promovendo a introdução em Portugal de um novo modelo de cientifização endógena da intervenção social a partir das organizações do terceiro setor, empoderado pela Análise Conversacional do Trabalho e das Organizações (ACTO), na qualidade de Coordenador do Conselho Científico da CERCIMA (Cooperativa de Educação e de Reabilitação do Cidadão Inadaptado do Montijo e de Alcochete), nova Unidade orgânica que materializa a integração da investigação científica nas estruturas da instituição.

Título da segunda Tese (em curso de elaboração) | A co-construção dos saberes profissionais no domínio da handicapologia social: Aplicação e implicação da Análise Conversacional na investigação em Serviço Social. 

______

    • D.E.U.G. & Licence de Sociologie | Université de Haute-Bretagne (Rennes II)
    • Maîtrise de Sociologie / Licenciado em Sociologia | Université R. Descartes (Sorbonne Paris V)
    • D.E.A. de Sciences Sociales / Mestre em Ciências Sociais (Grau formalmente reconhecido pelo Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa | Link) Université R. Descartes (Sorbonne Paris V)
      • Orientador | Claude Rivière, Docteur en Sociologie
    • Docteur en Anthropologie (Option « Production, Travail et Consommation ») / Doutor em Antropologia (Especialidade « Produção, Trabalho e Consumo ») / PhD in Anthropology (Production, Labor and Consumption) | Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH-UNL)
    • Doctorant en Travail social / Doutorando em Serviço Social | Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa (ISSSL-ULL)
      • Orientadora | Marina Antunes, Assistente Social – Doutora em Antropologia

Activité ProfessionnelleAtividade Profissional

Professor Adjunto Convidado / Professeur | Escola Superior de Educação e de Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre (ESECS-IPP)

          • Departamento :   Intervenção e Desenvolvimento Social – Área científica : Sociologia e Mediação Social  (depuis / desde 2016)

Chercheur / Investigador | Handicapologia social

Professor Auxiliar / Professeur (Habilité à diriger des Thèses doctorales) | Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Lusíada de Lisboa (FCHS-ULL)

Chercheur / Investigador | Handicapologia social

Consultant / Consultor | Políticas sociais – Gestão organizacional

Cotutelle de quatre Thèses de Doctorat / Co-Orientação de quatro Teses de Doutoramento

          • Doctorat en Travail Social / Doutoramento em Serviço Social | ISSSL-ULL
          • Doctorat en Études du Langage / Doutoramento em Estudos da Linguagem | PUC-Rio
          • Doctorat en Sciences de la Communication / Doutoramento em Ciências da Comunicação | FCSH-UNL
          • Doctorat en Sciences de l’Éducation / Doutoramento em Ciências da Educação | Université de Rouen

Formateur / Formador | Inscrito na Bolsa Nacional de Formadores do IEFP

Autres ActivitésOutras Atividades

Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS « Métiers-en-actes – Actes de métiers – Dynamiques de professionnalisation », Groupement d’Intérêt Scientifique en Travail social | Hybrida-IS

Membre (Conseil d’Administration) de l’Association Internationale pour la Formation, la Recherche et l’Intervention Sociale | AIFRIS

Sócio da Associação Portuguesa de Antropologia | APA

Investigador colaborador do Centro em Rede de Investigação em Antropologia | CRIA

Member | International Society for Conversation Analysis | ISCA

Sócio da Associação Portuguesa de Linguística | APL

Curriculum Vitae

CV (FR.) / CV (PT.)

CV (ORCID | Open Researcher and Contributor ID)

CV (Plataforma DeGóis)

CV (CORDIS)

LinkedIn

Publications & Communications / Publicações & Comunicações | Zotero (Link)

logo Academia

Inscrit sur la Liste de qualification aux fonctions de Maître de Conférences dans le domaine des Sciences du Langage (Section 07) | Conseil National des Universités (CNU) – Ministère de l’Enseignement Supérieur et de la Recherche | Link

analisesocial.ics.ul.pt documentos AS_215_a03.pdf

Déclarations / Pareceres avaliativos (par domaines scientifiques / por áreas científicas)

      • Anthropologie / Antropologia

Claude Rivière (Sorbonne – Paris V)

Jorge Crespo (FCSH-UNL)

      • Linguistique interactionnelle & Analyse Conversationnelle / Linguística interaccional & Análise Conversacional

Conceição Carapinha (Univ. Coimbra)

Lorenza Mondada (Univ. Bâle)

      • Sociologie / Sociologia

Adriano Duarte Rodrigues (FCSH-UNL)

      • Travail Social / Serviço Social

Júlia Cardoso (ISCTE / ISSSL-ULL)


 

Percurso investigativo…

(Binet, 2013: 18-34)

De uma abordagem estática de estruturas sociais materializadas na organização do espaço (morfologia socio-espacial), passei a uma abordagem dinâmica das estruturas sociais exteriorizadas em e por comportamentos expressivos ocorrendo em quadros espaciais e temporais delimitados com recurso a um conceito fundamental da antropologia, o de rito, o que me levou a variar as escalas de análise. Ao estudar de perto a «função posicional da comunicação»  (Rivière, 1995: 59 & 144) directamente  observável na ritualização dos comportamentos interaccionais do quotidiano, a minha atenção se centrou nos fenómenos prosódicos  e entoacionais (Binet, 2000), tema de investigação que converge com os estudos da prosódia desenvolvidos pelos analistas da conversação (Couper-Kuhlen & Selting, 1996).

Os ritos são analisáveis como eventos comunicacionais (Senft & Basso, 2009), perspectiva analítica desenvolvida pela etnografia da comunicação, corrente investigativa que exerceu uma influência directa sobre o sociólogo Harold Garfinkel, o fundador da etnometodologia, cuja obra ganha cada vez mais destaque no meu trabalho (Binet, 2002). O alcance para as ciências sociais e humanas deste enfoque etnográfico sobre a dimensão comunicacional dos ritos é determinado pela extensão do próprio conceito de rito, o qual se emancipou da esfera religiosa, alargando-se a todos os outros campos da vida profana (Rivière, 1995: 21–47). A abordagem antropológica da ritualização do comportamento humano nos vários quadros de participação na vida social passa pelo estudo da dimensão comunicacional das condutas observadas, numa clara convergência com o programa e os objectivos das investigações desenvolvidas em análise da conversação (Binet & Freitas, 2010).

Este meu percurso investigativo me levou da etnografia da comunicação à análise da conversação, sem revolução paradigmática digna deste nome, em virtude das continuidades e convergências existentes entre ambos os campos (Binet, 2010).

A constituição das festas (Binet, 1998a) e dos ritos (Binet, 1998b; Frias, 2000) em objectos de estudo empírico implicou a adopção de uma nova escala de análise, variação de escala que foi acompanhada pelo aprofundamento de uma perspectiva semiológica cada vez mais aberta aos contributos dos estudos da comunicação dos investigadores do “colégio invisível” delimitado por Yves Winkin (1981), contributos que prepararam a viragem conversacionalista operada em 2006, por uma reorientação etnometodológica do meu programa investigativo conducente à elaboração de uma tese de doutoramento. Esta reorientação do meu percurso contempla desde então várias comunicações e publicações, marcos da minha plena inscrição no paradigma teórico-metodológico da Análise da Conversação: Binet & Rodrigues, 2010; Binet & Monteiro, 2012; Binet, 2013; Binet et al., 2014; Rodrigues & Binet, 2015; etc.


 

…..elaboração e defesa de uma primeira Tese de Doutoramento (PhD)…

Área cientifica | Antropologia do Trabalho e das Relações de serviço

Título | Microanálise etnográfica de interacções conversacionais: atendimentos em serviços de acção social

Referência | Binet, M., 2013. Microanálise etnográfica de interacções conversacionais: atendimentos em serviços de acção social. Tese de Doutoramento em Antropologia, (Especialidade « Produção, Trabalho e Consumo »). Lisboa: FCSH-UNL.

Apoio | Bolsa de Doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) – [SFRH / BD / 63799 / 2009]


 Júri:

    • Adriano Duarte Rodrigues (Orientador / Doutor em Sociologia) | FCSH-UNL
    • Conceição Carapinha (Arguente / Doutora em Linguística) | Univ. Coimbra
    • Lorenza Mondada (Doutora em Linguística) | Univ. Basel
    • Luís Baptista (Doutor em Sociologia) | FCSH-UNL
    • Marina Antunes (Assistente Social, Doutora em Antropologia) | ISSSL-ULL
    • Paula Godinho (Doutora em Antropologia) | FCSH-UNL
    • Susana Trovão (Presidente do Júri / Doutora em Antropologia) | FCSH-UNL
    • Telmo Caria (Arguente / Doutor em Sociologia) | UTAD

.

Résultat / Resultado das Provas de Doutoramento:

Approuvé à l’unanimité, avec attribution de la note maximale (Très Bien), à l’unanimité.

Aprovado por unanimidade, com a classificação máxima (Muito Bom), por unanimidade.

Link | PTEN


Link de acesso ao pdf da tese, depositada na Plataforma « TEL – Thèses-en-Ligne » do Centre pour la Communication Scientifique Directe (CCSD-CNRS) | http://tel.archives-ouvertes.fr/tel-00815276

NOTA : O registo do título das teses na Plataforma TEL é efectuado em francês. Mas a plataforma assume uma vocação internacional e plurilingue. A presente tese tornada acessível a partir da Plataforma francesa TEL é redigida em português.


Introdução

(Binet, 2013: 13-15)

«Os seres humanos nascem e vivem em sociedades organizadas a vários níveis e o seu  estudo é a chave da explicação e da compreensão do comportamento humano. A antropologia social descreve e explica a diversidade cultural dos padrões comportamentais humanos mediante o estudo dos modos de organização da vida social.

A tese aqui elaborada privilegia uma das manifestações da vida social: as interacções face a face. Este nível é central para o empreendimento científico da etnografia, ciência observacional da conduta humana em contextos “naturais”, não provocados nem modificados para fins investigativos. A pesquisa de terreno regista comportamentos situados, gerados na trama interaccional de contextos de escala situacional.

Os aspectos comunicativos constituem uma dimensão-chave do comportamento de interacção, reconhecidos como tais pelos antropólogos e pelos sociólogos. A etnografia da comunicação, por exemplo, privilegia a observação naturalista da competência comunicativa dos membros duma cultura, em contextos situacionais, abordagem que, na interface da antropologia, da sociologia e da linguística, exerceu uma influência decisiva sobre Erving Goffman e a microssociologia. O uso da fala em situações de interacção é um objecto de estudo que se inscreve plenamente na história de ambas as disciplinas, e isso tanto no contexto americano como no contexto europeu, como terei o cuidado de sublinhar, mediante uma releitura dos trabalhos seminais de Marcel Mauss e Bronislaw Malinowski.

Abordagem micro-construtivista da acção situada, a etnometodologia pretende estudar os métodos e os meios usados vulgarmente pelos interactantes, produtores dos quadros locais das suas interacções, com base em orientações de pesquisa etnográficas, que privilegiam observações directas dos comportamentos em contextos naturais. Novas tecnologias de gravação permitindo escutas múltiplas de eventos interaccionais potenciam uma nova malha descritiva e analítica geradora de novos saberes que prestam uma atenção redobrada à organização sequencial das interacções conversacionais. Analistas da conversação, microssociólogos e microetnógrafos tornam-se transcritores, desenvolvendo convenções de transcrição que convertem as gravações em microterrenos de observação e análise da organização concertada dos comportamentos e dos quadros de interacção.

A vida social e cultural é assim decomponível em quadros de interacção conversacional que constituem importantes unidades de análise de escala microscópica, passíveis de um estudo empírico que se inscreve dentro das fronteiras disciplinares de uma antropologia das sociedades contemporâneas assente na variação e articulação de escalas de análise micro, meso e macrossociais. A consolidação da microetnografia da fala-em-interacção, passível de um estudo exploratório assente no método da observação flutuante multisituada, exige a recolha de corpora de gravações, subordinados à abertura de terrenos.

Dinamizei, em parceria com Isabel de Sousa, membro do Conselho Local de Acção Social da Rede Social do Concelho de Sintra, um projecto de investigação, com a participação das pessoas envolvidas, O Interagir Comunicacional na Intervenção Social. Análise da Conversação Aplicada ao Serviço Social. Este projecto permitiu a recolha de um corpus de mais de 50 horas de gravação de atendimentos em serviços de acção social do Concelho, mediante a colaboração de uma rede de mais de 20 profissionais, que aceitaram gravar as suas próprias interacções conversacionais com utentes, sob reserva de obtenção do seu consentimento prévio.

A tese pretende comprovar o alcance da abordagem micro-etnográfica no domínio dos estudos organizacionais e dos locais de trabalho (workplace studies), pela produção de novos saberes e conhecimentos na área do Serviço Social, resultantes da aplicação desta abordagem a um corpus de gravações de atendimentos sociais.

A primeira parte da tese começa por inscrever a microetnografia da fala-em-interação no campo disciplinar da antropologia, relatando, num primeiro capítulo, a pré-história desta pesquisa, à luz (1) do meu próprio caminho investigativo, que, da morfologia socio-espacial, passando pelo estudo dos ritos, me levou à análise da conversação, e (2) da história da investigação socio-antropológica, considerada a partir dos trabalhos de Marcel Mauss e de Bronislaw Malinowski. O segundo capítulo incide sobre o principal quadro teórico da tese, a etnometodologia, e a sua operacionalização no terreno da investigação empírica pelos analistas da conversação. As controvérsias que rodearam a recepção da etnometodologia na Europa e se centraram na questão do «contexto» são examinadas, exposição que me permitirá clarificar o meu próprio posicionamento, a favor de uma ciência social articulada em várias escalas de análise, assente numa divisão do trabalho científico. Teorias auxiliares da análise da conversação, validadas no terreno da análise empírica, dão matéria a um subcapítulo. O terceiro capítulo da primeira parte procede a uma breve contextualização sociohistórica do serviço social, que contribui em delimitar e caracterizar a unidade de análise da tese: atendimentos de acção social.

A segunda parte da tese trata dos aspectos metodológicos das investigações que estão na origem da base empírica desta tese. O primeiro capítulo, que aborda a observação flutuante e encoberta proporcionada pela participação quotidiana na vida social, permite uma discussão preliminar das opções e estratégias de investigação que condicionam o desenvolvimento de estudos microetnográficos e tornam necessária a recolha de corpora de gravações, em ordem à consolidação das investigações. O segundo capítulo expõe de forma detalhada a dinamização no terreno do projecto ao abrigo do qual consegui, em parceria com Isabel de Sousa, a abertura de vários terrenos institucionais e a participação activa de profissionais que colaboraram na gravação de atendimentos realizados nos seus serviços. A metodologia co-participativa do trabalho de equipa gerou múltiplas oportunidades de entrevista, de observação de serviços e gabinetes de atendimento, de recolha de dados visuais (fotografias), de discussão em grupo (focus group) de trechos de transcrição e respectivas análises. O segundo capítulo aborda ainda os procedimentos abertos e indutivos que regem o tratamento do corpus bem como o trabalho de transcrição e as suas convenções.

A terceira parte apresenta resultados de micro-análise etnográfica dos dados recolhidos. A etnografia visual de um serviço de acção social potencia análises de escala meso do ambiente institucional onde ocorrem os atendimentos, abordagem que articula as interacções conversacionais com cadeias operatórias, envolvendo comunicações orais e escritas, que saem das fronteiras espaciais e temporais do quadro interaccional em estudo. A análise longitudinal da organização sequencial dos atendimentos (pré-abertura, abertura, inquérito, exposição do problema, resolução, pré-fecho e fecho) assenta numa análise transversal do corpus, que recorre, para fins heurísticos, a uma análise contrastiva dos atendimentos em gabinete e das visitas ao domicílio dos utentes. Acções, tarefas e métodos conversacionais são descritos e analisados, dando a conhecer melhor a acção social enquanto interagir comunicacional. Considerações finais apoiadas nos resultados alcançados incidem sobre a possibilidade de observar a ordem macrossocial a partir de um evento microssocial».

_______

…..elaboração em curso de uma segunda Tese de Doutoramento (PhD)..

Área cientifica | Serviço Social

→ Projeto em curso | ACTO 

 _____________

ACASS-001

«Apart from the conviction that the positivist paradigm is not the sole owner of truth as previously claimed, we gained experience or insight on at least four guidelines for field research and scientific reporting within PAR [Participatory Action Research], as follows:

  • Do not monopolize your knowledge nor impose arrogantly your techniques but respect and combine your skills with the knowledge of the researched or grassroots communities, taking them as full partners and co-researchers. That is, fill in the distance between subject and object;
  • Do not trust elitist versions of history and science which respond to dominant interests, but be receptive to counter-narratives and try to recapture them (…)» (Fals-Borda, 1995).
Fals-Borda, O., 1995. Research for Social Justice: Some North-South Convergences. In Southern Sociological Society Meeting. Atlanta: Southern Sociological Society.

V Congresso da Associação Portuguesa de Antropologia (APA): UTAD/Vila Real, 09-09-2013 (Telmo Caria - Michel Binet - Nelson Ramalho)
V Congresso da Associação Portuguesa de Antropologia (APA): UTAD/Vila Real, 09-09-2013 (Telmo Caria – Michel Binet – Nelson Ramalho)

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Groupe d’Ethnométhodologie et d’Analyse Conversationnelle de la Clusivité sociale