DOCÊNCIA

Logo 1 ULusíada

Universidade Lusíada de Lisboa

Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa

ISSSL


Introdução da Análise Conversacional

na

Licenciatura em Serviço Social

Unidade Curricular | Estruturas e Interação Social

(2º Ano Curricular)

Docente | Prof. Doutor Michel G. J. Binet

Anos Letivos 2012-13 / 2013-14 / 2014-15 / 2015-16

Ana Paula Silva, aluna do 2º ano curricular da Licenciatura em Serviço Social:

«Posteriormente, ao escutar com mais atenção [a gravação de um atendimento], fazendo pausas nos diálogos e escrevendo o que era dito, percebi que havia ali tanta informação sobre o trabalho diário da assistente social (…)». 

______________

Logo 1 ULusíada

Ano Letivo 2013-14

Unidade Curricular | Métodos Qualitativos (2º Ano Curricular / Licenciatura em Psicologia – IPCE)

Docente | Prof. Doutor Michel G. J. Binet

Orientação de três Trabalhos de Grupo: Transcrição e Análise da fala-em-interação em contextos profissionais


Logo 1 ULusíada 

Estruturas e Interação Social

Sumários

Ano Letivo 2012-13

ISSSL-ULL | Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa da Universidade Lusíada de Lisboa

Curso | Licenciatura em Serviço Social

Unidade Curricular | Estruturas e Interação Social (2º Ano Curricular)

Docente | Prof. Doutor Michel G. J. Binet

_________

19-02-2013

Apresentação da Unidade Curricular e Contrato pedagógico: Docente | Objectivos gerais e específicos | Programa | Avaliação | Recursos

Um duplo enfoque articulado nas estruturas e nas interacções sociais: uma introdução

21-02-2013

Escalas de análise e orientações metodológicas: abordagens quantitativas e qualitativas do social

Escalas e Definições das Unidades de análise: Macro (Sistema-Mundo, UE e Estados-Nações) | Meso (Organizações e Cadeias de interdependência funcional entre decisores e actores) | Micro (Situações de co-presença e Quadros de interacção cara a cara)

Macro-análise: Inquéritos por questionário e Estudos documentais (Métod. Quantit.)

Micro-análise: Alcance e limites das entrevistas (abordagem descontextualizada/ora) do ponto de vista do paradigma interaccionista (Métod. Qual.)

O.T.

Entrevistas dos alunos: interesses e motivações

Levantamento de temas de pesquisa, associados a experiências pessoais dos alunos e a terrenos de observação directa

_________

26-02-2013

Pesquisas de terreno e técnicas auxiliares de registo: o Estudo directo do comportamento humano situado.

Os Fundadores da sociologia e o Interaccionismo: reler Georg Simmel.

A Escola Francesa de Sociologia: Holismo e detalhes comportamentais

28-02-2013

Holismo e comportamentos localmente observáveis: os “fenómenos sociais totais” (M. Mauss).

Macro-história e microcomportamentos: leitura cruzada de Norbert Élias e de Erving Goffman

O.T.

Entrevistas dos alunos: interesses e motivações

A Etnografia visual: os contributos da fotografia na investigação empírica

Incentivo ao uso do Moodle (e-learning)

_________

05-03-2013

Laços comunitários e Laços societários (F. Tönnies): 1- Dois conceitos fundamentais para a análise das sociedades contemporâneas / 2- Dissolução dos laços comunitários e Coesão das sociedades saídas da Revolução Francesa: Uma questão fundadora da Sociologia e do Serviço Social

07-03-2013

Das macrodivisões, distinções e Habitus de classe às microlutas locais de (des)classificação: leitura cruzada de Pierre Bourdieu e de Erving Goffman

OT

Etnografias textual e visual: 1- Compete ao texto estabelecer / firmar o valor documental de cada fotografia | 2- Compete à fotografia fundamentar empiricamente / documentalmente as análises desenvolvidas no texto

Etnografia visual de um serviço social

Fotografia 1 – Horários de atendimentos e identificação de serviços: Informações escritas e Enquadramento/definição das interacções

Fotografias 2 & 3 – Espaços de trabalho e de atendimento: organização material do espaço e definições dos papéis interaccionais

Fotografias 5 & 6 – Cartaz de identificação das missões do serviço, da população-alvo (rostos, géneros, idades e línguas) e dos seus direitos

Fotografias 7 & 8 – Segregação espacial e divisão funcional das categorias de interactantes (Casas de banho separadas)

Fotografias 9 & 10 – Artefactos e Objectos pessoais como recursos de apropriação de um lugar (espacial e interaccional) em ambientes institucionais: Territórios do Nós e do Eu

Fotografia 12 – O grau zero de apropriação do espaço: as cadeiras dos atendimentos

Fotografia 13 – Poder de gestão do tempo e assimetrias de estatuto: a gestão ritual dos atrasos

Fotografia 15 – Partilha de equipamentos e Unificação funcional do Gabinete: a fotocopiadora

Fotografia 16 – Comensalidade e Unificação ritual do Gabinete: o microondas

Fotografia 18 – Regulamentação textual das interacções conversacionais

_________

12-03-2013
Introdução à Etnometodologia: um saber de 2º grau

Preparação da visita de David Monteiro (Doutorando em Linguística interaccional, sob a orientação de Lorenza Mondada; Investigador colaborador do GEACC-CLISSIS)

Competências e saberes procedimentais dos interactantes

14-03-2013 (com a participação de David Monteiro)

A organização sequencial das interacções e as suas implicações metodológicas: limites da fotografia e vantagens dos corpora de gravações/filmagens

Ética da investigação & Paradoxo do observador (Labov)

Cursos de acção e Crises disruptivas: uma dupla unidade de análise

O.T.

12-03-2013
Trabalhos dos alunos: delimitação de um objecto de estudo empírico em três passos

14-03-2013
Trabalhos dos alunos: delimitação de um objecto de estudo empírico em três passos / Exercício de Etnografia visual: o valor documental de uma fotografia para a análise da dimensão ritual dos comportamentos interaccionais

_________

19-03-2013
As interacções sociais analisadas por Erving Goffman à luz de quatro conceitos: jogo, teatro, cinema (frame analysis) e rito.

21-03-2013
Figuração (Face Work) e ritualização das interacções: Ritos negativos e positivos do tratamento do outro e de si nas interacções (Goffman; Brown & Levinson)

O.T.

19-03-2013
Actividades concertadas e Pano de fundo dos saberes partilhados: a indicação da localização de um serviço numa cidade desconhecida pelo interlocutor

21-03-2013
Dúvidas e Questões pedagógicas levantadas por alunos

_________

04-04-2013

Figuração (Face Work) e ritualização das interacções: Face Threatening Acts (FTA) & Face Flattering Acts (FFA) / Interacções orientadas para o equilíbrio ritual v/s Interacções agonais (Goffman; Brown & Levinson)

O.T.

Ética da investigação (pedidos de autorização) & Pessoas em situação de exclusão social: um dilema

Não redobrar a exclusão social mantendo pessoas e grupos à margem dos campos de visibilidade e de conhecimento resultantes da investigação

_________

09-04-2013
Apresentação do Website do GEACC-CLISSIS, Grupo de Investigação relacionado de perto com a unidade curricular

11-04-2013
A teoria goffmaniana da figuração e as suas articulações com outras teorias

O. T.

09-04-2013
Estudos das interfaces entre comportamentos humanos e dispositivos técnicos: Teoria do Actor-Rede (Latour) e análises sociotécnicas

11-04-2013
O pesquisador de terreno sem capa de invisibilidade: Vigilância epistemológica e Auto-análise das relações de inquirição

_________

16-04-2013

Preparação do teste (1)

Dissertações de desenvolvimento: dicas e critérios de avaliação

18-04-2013

Preparação do teste (2)

Revisão dos pontos principais da matéria

O. T.

Dúvidas (Preparação da matéria)

_________

30-04-2013 (Aula Teórica)

Retornos de avaliação da Prova escrita

Planeamento da segunda parte do semestre

02-05-2013 (Aula Teórica)

A organização em pares adjacentes das interações conversacionais

Primeira Parte do Par adjacente (PPP – Acto iniciativo) & Segunda Parte do Par adjacente (SPP – Acto reactivo)

Alternância de vez

A organização preferencial dos pares adjacentes: SPP preferida [produzida logo, no inicio do turno seguinte, sem pausa inter-turno] / SPP não preferida [quebra de adjacencialidade: pausa silenciosa inicial, pausa cheia (sinal de hesitação), justificação anteposta (account), SPP (não preferida)]

Projecção pela PPP (acto iniciativo) de um « slot », que convoca o alocutário a tomar a palavra num espaço de fala condicionada. Interagir é coagir e ser coagido: ao organizar a sua troca conversacional em pares adjacentes, os falantes exercem uns sobre os outros um poder de coerção (A fala-em-interação cabe na definição durkheimiana dos Factos sociais).

30-04-2013 (OT)
02-05-2013 (OT)

Devolução individualizada dos resultados de avaliação da Prova escrita

_________

07-05-2013

Relatos de atendimentos na segurança social, considerados do duplo ponto de vista de uma futura profissional e de uma utente: Depoimento e exposição de Conceição Prata, aluna do 3º curricular da Licenciatura em Serviço Social, convidada por iniciativa do docente

Aula filmada (multifilmagem): Duas Câmaras de filmagem (Docente / Manuel Santos)

09-05-2013

Análise e discussão da relevância da intervenção de Conceição Prata (ver aula anterior), do ponto de vista dos objetivos formativos da UC.

O.T.

Orientação de trabalhos individuais

_________

14-05-2013

Análise da endo-organização local em pares adjacentes da abertura conversacional de um atendimento de ação social (trecho de transcrição | Corpus ACASS)

16-05-2013

A Organização local das interações conversacionais:

-Os Pares Adjacentes, base de organização sequencial e preferencial (Revisão)

Noção de preferência e Implicações sequenciais das Segundas Partes dos Pares adjacentes (SPP): a boa resposta (SPP preferida) de um aluno a uma pergunta (PPP) de um professor encerra (ou leva ao encerramento mediante uma SCT – Sequence-Clothing Third) a sequência interacional organizada com base no Par adjacente Pergunta/Resposta (PPP/SPP); uma resposta sancionada como “errada” (SPP não preferida) prolonga a sequência interacional, mantendo em atividade a tarefa colaborativa de responder corretamente à pergunta do professor.

-O sistema de regulação da alternância de vez:

Gestão local do seguinte problema (emico: sentido como tal pelos próprios interactantes) interacional: “Como tomar a palavra sem interromper nem cortar ninguém?” (Invadir o território de fala do outro, lhe cortando a palavra, é um ato ofensivo | FTA)

Pontos de completude enunciativa (gramatical, semântica e/ou entoacional) funcionando como Pontos de transição relevante.

Intersincronização fina (ex.: recorrência de tentativas simultâneas de tomada da palavra em pontos de transição relevante nos grupos conversacionais)

-O sistema de sinalização e correção de “erros” (entre aspas: perspetiva emica): passível de ser ativado fora de um ponto de transição relevante

O.T.

Orientação de trabalhos individuais

_________

21-05-2013

A organização sequencial global das interações conversacionais: Abertura – Corpo principal – Encerramento/Fecho

Ritualização das aberturas e dos fechos interaccionais & Definição da relação de ajuda

Impactos dos primeiros e dos últimos segundos da interação

Entrada gradual e saída gradual do quadro interaccional

Definição das Identidades-em-presença e da sua relação

Fecho interaccional: inscrever o atendimento num processo que não terminou (Encaminhamentos / Agendar compromissos / Firmar acordos / Etc.)

23-05-2013

A Análise das operações de categorização na fala-em-interação (Membership Categorization Analysis): uma introdução

Construção social da realidade e Partilha-em-interação de categorizações ilusoriamente auto-evidentes

A categoria como motor de inferências (“etc.”)

O.T.

Exercício de análise conversacional de um trecho de gravação de um atendimento de ação social (Corpus ACASS; Binet, 2013: 314): a fase de Inquérito

A profissão de Assistente Social na interface da oralidade e da escrita

Textos regulamentares e deslocalização do poder: o atendimento e as suas arenas de validação

O registo escrito como tarefa colaborativa

Script e Par adjacente de base

Economia temporal da fala e Economia temporal da atividade não verbal: intersincronia fina / Sistema de co-gestão da alternância de vez & Pausas verbais ocupadas por uma atividade de registo

Empowerment do utente: participação ativa no registo escrito do seu depoimento e na fundamentação escrita de pedidos de ajuda (O Assistente Social como “Écrivain Public”)

O atendimento como interação assimétrica: poderes desiguais de ação emicamente legitima

_________

28-05-2013

Relatos de atendimentos num Centro de Emprego, considerados do duplo ponto de vista de uma futura profissional e de uma utente: Depoimento e exposição de Sofia Martins, aluna do 2º curricular da Licenciatura em Serviço Social

30-05-2013

Revisões e Preparação do Teste escrito

O.T.

Análise conversacional de trechos de transcrição de um Corpus de gravações de atendimentos de ação social (exercícios)

_________

 

 

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Groupe d’Ethnométhodologie et d’Analyse Conversationnelle de la Clusivité sociale