Handicapologia social (ACAA – ACTO)

Cercima

Cercima Conselho Científico - MiniBanner

Website (CERCIMA / Conselho Científico) | –> Link

CCient-CERCIMA - Revista FENACERCI 2016

Revista FENACERCI 2016

Reivindicando-se da Handicapologia social (Hamonet, 1992; 2012), perspetivada como campo interventivo e investigativo ancorado na área do Serviço Social, intimamente ligada ao Social Model of Disability, o Projeto ACAA-ACTO cruza duas linhas de investigação, articulando duas escalas analíticas (interaccional e organizacional):

ANÁLISE CONVERSACIONAL APLICADA AO AUTISMO*

Palavras-chave: Análise Conversacional (AC) / Atypical Interaction (AI) / Autismo / Competência interaccional / ⒸⓄⓂⓊⓃⒾⒸⒶÇÃⓄ ⒶⓊⓂⒺⓃⓉⒶⓉⒾⓋⒶ Ⓔ ⓐⓛⓣⓔⓡⓝⓐⓣⓘⓥⓐ / Deficiência Intelectual / (Dis)Ability Studies / Handicapologia social / Intervenção social / Respostas sociais

*Nota | Inicialmente centrado nas perturbações do espectro do autismo, o Projeto ACAA alarga-se hoje a todas deficiências intelectuais, de modo a abraçar um campo emergente na agenda científica internacional: Atypical Interaction (AI).

ANÁLISE  CONVERSACIONAL  DO TRABALHO  E  DAS  ORGANIZAÇÕES

Palavras-chave: Análise Conversacional / Critical Management Studies / Inclusive Research / Multi-Corpus / Multi-situated Learning Organization / Person-centred Organization / Serviços inclusivos (Inclusive Design) / Sistemas de Gestão e de Melhoria da Qualidade

_______

logo fenacerci   pplllogo                                                  Logo_CLISSIS

Comprometido com a promoção dos direitos e do bem-estar das pessoas que lidam com perturbações comportamentais do espectro do autismo e outras deficiências intelectuais, Michel G. J. Binet coordena um Projeto-piloto, desenvolvido ao abrigo de uma parceria entre a FENACERCI, a PPLL Consult e o CLISSIS, que assenta na aplicação da Análise Conversacional na dupla área dos DisAbility Studies e dos Organization Studies: o Projeto ACTO.

Trata-se de uma investigação-ação colaborativa e inclusiva (Inclusive Research) que incide sobre a implementação de sistemas de gestão, de melhoria e de certificação da qualidade em organizações do terceiro setor, comprometidas com a defesa dos direitos e a promoção da qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual e suas famílias.

As organizações associadas da FENACERCI estão a defrontar os desafios inerentes aos processos de certificação da qualidade, ao abrigo de várias normas (Segurança Social, ISO 9001 e/ou EQUASS). Cada uma das organizações associadas acumulou assim experiências nesta matéria, que o presente Projeto de investigação-ação pretende contribuir em estudar (entrevistas, observações de terreno, estudos de corpora, focus group e estudos documentais), de modo a promover uma transferência de saberes e uma discussão alargada no seio da FENACERCI e de Organizações congéneres, optimizadas  por um conhecimento detalhado de cada terreno organizacional participante.

Adequar os sistemas de gestão da qualidade às especificidades de cada setor de atividade e de cada organização configura um objetivo fulcral para todas as partes envolvidas nos processos de certificação da qualidade, que só pode ser prosseguido com a colaboração de todos (Inclusive Research), num processo orientado para o reconhecimento e a valorização dos saberes de ação que garantem a qualidade glocal: na lente micro-analítica da Etnometodologia/Análise Conversacional, a qualidade global de uma organização assenta em melhorias contínuas da qualidade, operadas em múltiplos locais, por cada colaborador e ator (bottom-up design). O sistema de gestão da qualidade não deve bloquear mas, sim, valorizar e reforçar, mediante metodologias colaborativas e inclusivas, o compromisso de cada um com uma qualidade global alcançada a partir de melhorias locais (meso-micro links).

(1) Produzir conhecimentos sobre a prestação dos serviços, (2) valorizar os saberes distribuídos e aprimorados na rede de micro-locais de trabalho constitutiva de cada organização (Multi-situated Learning Organization) e (3) debater a adequação/sensibilidade do sistema encarregado da gestão e da melhoria da qualidade destes serviços (Critical Management Studies), de modo a capacitar as organizações e os seus atores a reapropriarem-se ativamente dos modelos manageriais implementados no seu seio, eis os principais objetivos visados pelo Projeto.

Numa primeira fase, a investigação-ação aqui delineada pretende concretizar-se sob a forma de um estudo de casos múltiplos, Projeto-piloto vocacionado a ser progressivamente estendido, consoante as fontes de financiamento entretanto captadas, para viabilizar o seu pleno desenvolvimento.

Trata-se, em suma, por meio de uma sinergia entre a investigação (CLISSIS) e a consultoria (PPLL Consult), de contribuir em apoiar a FENACERCI a prosseguir e renovar, por outras vias e com novos parceiros, o compromisso já assumido de longa data, com a intercooperação, com a qualidade e com o desenho organizacional centrado na pessoa (Person-centred Organization), em prol da qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual, no seio de uma comunidade cada vez mais inclusiva.

LINK | Base Bibliográfico-Documental PPLL Consult « Handicapologie sociale » (ZOTERO)

_____
Terreno 1 | Cooperativa de Educação e Reabilitação do Cidadão Inadaptado do Montijo e de Alcochete (CERCIMA)
 Novo Logo CERCIMA
  • Equipa Local de Intervenção precoce (ELI)
  • Centro de Recursos para a Inclusão [em meio escolar] (CRI)
  • Centro Sócio-Educativo (CSE)
  • Centro de Atividades Ocupacionais (CAO)
  • Formação Profissional
  • Residência Autónoma
  • Centro Comunitário
  • Núcleo Inter-Serviços (NIS)
  • Núcleo de Motricidade
  • Grupo de Auto-Representantes da CERCIMA (GARCE)

Julho 2015 | Corpus de 20 horas de gravações de interações provocadas para fins investigativos (ex.: entrevistas; visitas guiadas da instituição) e de quadros conversacionais constitutivos das actividades regulares da vida institucional (ex.: Reuniões mensais do NIS; Intervenções ao domicílio de famílias da ELI; Reuniões do GARCE; etc.) – Corpus de 100 fotografias (Etnografia visual) – Corpus de Documentos primários que apoiam as actividades da Instituição e dos seus membros.

Notícia | Outubro 2015: Criação de um Conselho Científico, que efetiva a integração da investigação nas estruturas organizacionais da CERCIMA.

Pedido de consentimento informado (modelo)

______________________________________

Falar de uma pessoa na sua presença (Comunicação aumentativa e allernativa por pictogramas | ARASAAC)
Falar de uma pessoa na sua presença (Comunicação aumentativa e allernativa por pictogramas | ARASAAC)

 

Outras atividades investigativas, enquadradas no campo dos Disability Studies/ACAA…

 

O Estudo « Análise Conversacional Aplicada ao Autismo » procura registar para efeitos de investigação situações de interação e de educação inclusiva envolvendo crianças, jovens e/ou adultos sofrendo de perturbações do espectro do autismo ou de outras “deficiências intelectuais”. A Etnometodologia conversacional permite estudos detalhados dos comportamentos e das competências de interacção de todos os protagonistas (com e sem “deficiências” atribuídas) de uma troca conversacional, que constituem importantes factores de inclusão mútua das pessoas (rotuladas como “deficientes” e sem rótulos), nos vários contextos da vida social.

Um dos objetivos de longo prazo consiste em elaborar e validar por um estudo de corpora um novo Modelo de Terapia multi-situada da e pela fala-em-interação, assente em contributos da Análise Conversacional (AC) que promovem uma redefinição e um alargamento do campo de intervenção dos terapeutas da fala, reconvertidos em agentes facilitadores de uma inclusão multi-situada empoderada pela AC.

«As well as revealing the interactional abilities of people from atypical populations, CA has had one other major impact in understanding how they live and work: uncovering the role of the other person with whom they are in dialog. Perhaps that is the greatest single contribution that Conversation Analysis has made, and will continue to make, to the study of the communication of people from atypical populations: the discovery (or, perhaps, the detailed confirmation) that the structures and support which they might be offered will play an enormous part in liberating them or, if the support is withheld, limit and frustrate them» (Antaki & Wilkinson, 2013: 548).

________

OUTROS DADOS | Corpus ACAA

Terreno 2 | Câmara Municipal de Cascais – Divisão de Educação

Avaliação externa do Projecto « Formação e Suporte parental para pais com crianças com Necessidades Educativas Especiais (NEE) »

Coord. | Isabel Passarinho & Ana Carolina Crispim & Ligia Prior
Datas |  Inicio: 08 Maio 2013 / Fim: 30 de Agosto 2013
 
Parceiros | Ludobibliotecas de Alto da Peça/JF Alcabideche e S. Pedro/Artemanhas
Agrupamento de Escolas de Alaparaia/Curso de Educação e Formação (CEF) de Auxiliares de ação educativa

Avaliador externo | Michel G. J. Binet

Metodologia | Observação participante + Estudo de corpus (gravações / filmagens de sessões formativas) + Entrevistas + Estudo documental

Ref. | Binet, M., 2013. Relatório de Avaliação externa: Projeto « Formação e suporte parental para pais com crianças com necessidades educativas especiais (NEE) » (Coord. Isabel Passarinho, Ana Carolina Crispim & Lígia Prior), Cascais: Câmara Municipal de Cascais – Departamento de Educação.

Link 1 | http://www.cm-cascais.pt/sites/default/files/anexos/gerais/brochura__caminhos_para_a_inclusao_rede_de_respostas_concelhias.pdf

Link 2 | Newsletter – Laboratório de Aprendizagens (Jan – Abril 2014)

 _______
 
  • Terreno 3 | Etnografia visual da Unidade de Ensino Estruturado (UEE) da EB1/JI Rosa dos Ventos (Afonsoeiro – Montijo) (Fotografia documental)
UEE - EB1JI Rosa dos Ventos (Afonsoeiro - Montijo)
UEE – EB1JI Rosa dos Ventos (Afonsoeiro – Montijo)
 ____________

No trilho do caminho investigativo aberto por Elinor Ochs e sua equipa:

«The ethnographic component of the project documented the children’s conversational interactions with family members at home before, during and after dinnertime, and in transit to and from school, as well as with peers and teachers during the course of the school day. To ensure ethnographically informed data collection we observed each of the 16 children on numerous occasions before video-recording them for up to a month at school and for two evenings at home. In addition, the parents audio-recorded five days of interactions with their children in the morning before school and on the way home after school. The data corpus consists of approximately 320 hours of video and 60 hours of audio-recorded naturalistic data. The data have been transcribed according to the conventions of conversation analysis (…)» (Ochs & Solomon, 2004: 140).

 
___________
Emergência de um novo campo interventivo e investigativo, ancorado na área do Serviço Social: a Handicapologia social (Hamonet, 1992; 2012)*
 .
«Nous pensons (…) que l’approche par le handicap est particulièrement productive si l’on veut mieux comprendre les besoins de l’être humain dans notre monde (…). Il s’agit d’une voie exceptionnelle pour saisir les mécanismes d’interactions entre santé, culture et société, mais aussi pour aborder d’une autre façon la relation de l’Homme avec la maladie et la mort. Elle constitue une base pour développer une nouvelle façon de concevoir le bien-être de l’individu au sein de sa communauté» (Hamonet, 1992: 4).
.
*Nota | «Importa não confundir a handicapologia social, orientada para a promoção dos Direitos, do Bem-estar e da Inclusão social bem como para a luta contra todas as formas de discriminação baseadas em “deficiências” (disablism), com a tentativa contrária de legitimação ideológica de situações de exclusão social pela atribuição de alegados “handicaps”, encarados, ao abrigo de uma perspetiva absolutamente inconciliável e totalmente oposta, como justificando a marginalização e a exclusão social de pessoas e de grupos no seio da comunidade. Esta tentativa ideológica é denunciada, com razão, por alguns autores (Castel, 1998), sob a mesma designação de “handicapologia” (sic), opção terminológica algo infeliz (operada fora do âmbito de qualquer estudo incidindo especificamente sobre populações ou pessoas em situação de handicap), que sinalizamos à atenção do leitor, na medida em que pode levar a confundir duas perspetivas radicalmente opostas» (Binet, 2015a).

 

(Re)inventar caminhos de inclusão mútua dentro da comunidade…


 

Bibliografia:

 

  • Bartolo, P.A., 2002. Communicating a diagnosis of developmental disability to parents: multiprofessional negotiation frameworks. Child: care, health and development, 28(1), pp.65–71.
  • Binet, M., 2015b. L’évaluation de projets d’intervention sociale auprès de parents d’enfants en situation d’handicap: Étude d’un cas d’application de l’Analyse Conversationnelle au Portugal. In 6ème Congrès International AIFRIS. Multiplication des précarités: quelles interventions sociales ? Porto: Association Internationale pour la Formation, la Recherche et l’Intervention Sociale (AIFRIS).
  • Binet, M., 2015c. Visitas guiadas de espaços habitados por pessoas com deficiências intelectuais: Um método de investigação inclusiva. In Colóquio «Serviço Social, Habitação e Políticas públicas: Teoria e empiria». Lisboa: Instituto de Serviço Social – Universidade Lusófona.
  • Binet, M., 2014. Pessoas com deficiência, Famílias e Instituições: Um triângulo a (con)firmar continuamente. In II Encontro de Auto-Representantes do Concelho de Cascais. Cascais: Comissão para a Pessoa com Deficiência.
  • Binet, M., 2013. Relatório de Avaliação externa: Projeto « Formação e suporte parental para pais com crianças com necessidades educativas especiais (NEE) » (Coord. Isabel Passarinho, Ana Carolina Crispim & Lígia Prior), Cascais: Câmara Municipal de Cascais – Departamento de Educação.
  • Capps, L., Kehres, J. & Sigman, M., 1998. Conversational Abilities Among Children with Autism and Children with Developmental Delays. Autism, 2(4), pp.325–344.
  • Castel, R., 1998. Du travail social à la gestion sociale du non-travail. Esprit, 241(3/4), pp.28–47.
  • Dean, M., Adams, G.F. & Kasari, C., 2013. How narrative difficulties build peer rejection: A discourse analysis of a girl with autism and her female peers. Discourse Studies, 15(2), pp.147–166.
  • Dobbinson, S., Perkins, M. & Boucher, J., 2003. The interactional significance of formulas in autistic language. Clinical linguistics & phonetics, 17(4-5), pp.299–307.
  • Forrester, M.A., 1999. Conversation analysis: a reflexive methodology for critical psychology. Annual Review of Critical Psychology, 1, pp.34–49.
  • Forrester, M.A. & Cherington, S.M., 2009. The development of other-related conversational skills: A case study of conversational repair during the early years. First Language, 29(2), pp.166–191.
  • Geils, C. & Knoetze, J., 2008. Conversations with Barney: A Conversation Analysis of Interactions with a Child with Autism. South African Journal of Psychology, 38(1), pp.200–224.
  • Gonçalves, A. et al., 2008. Unidades de ensino estruturado para alunos com perturbações do espectro do autismo. Normas orientadoras, Lisboa: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular.
  • Goodwin, C. ed., 2003. Conversation and Brain Damage, Oxford: Oxford University Press.
  • Haute Autorité de Santé (HAS), 2012. Autisme et autres troubles envahissants du développement: interventions éducatives et thérapeutiques coordonnées chez l’enfant et l’adolescent (Recommandations de Bonne Pratique), Saint-Denis La Plaine: Agence Nationale de l’Évaluation et de la Qualité des Établissements et Services Sociaux et médico-sociaux (ANESM).
  • Hamonet, C., 2012. Les personnes en situation de handicap 7th ed., Paris: PUF.
  • Hamonet, C., 1992. Handicapologie et Anthropologie. Thèse de Doctorat en Anthropologie (dir. Louis-Vincent Thomas). Paris: Université R. Descartes Paris V Sorbonne.
  • Kissine, M., Brabanter, P.D. & Leybaert, J., 2012. Compliance with requests by children with autism: the impact of sentence type. Autism, 16(5), pp.523–531.
  • Kovarsky, D., Duchan, J. & Maxwell, M. eds., 1999. Constructing (In)Competence: Disabling Evaluations in Clinical and Social Interaction, Mahwah / London: Lawrence Erlbaum.
  • Lee, H.J., 2011. Cultural Factors Related to the Hidden Curriculum for Students With Autism and Related Disabilities. Intervention in School and Clinic, 46(3), pp.141–149.
  • Lester, J.N. & Paulus, T.M., 2012. Performative acts of autism. Discourse & Society, 23(3), pp.259–273.
  • Muskett, T. et al., 2010. Inflexibility as an interactional phenomenon: Using conversation analysis to re-examine a symptom of autism. Clinical linguistics & phonetics, 24(1), pp.1–16.
  • Nadig, A. et al., 2010. How does the topic of conversation affect verbal exchange and eye gaze? A comparison between typical development and high-functioning autism. Neuropsychologia, 48(9), pp.2730–2739.
  • Ochs, E. & Schieffelin, B.B., 2012. The Theory of Language Socialization. In A. Duranti, E. Ochs, & B. B. Schieffelin, eds. The Handbook of Language Socialization. Malden / Oxford: Wiley-Blackwell, pp. 1–21.
  • Ochs, E. & Schieffelin, B.B., 1996. The microgenesis of competence: Methodology in language socialization. In D. I. Slobin et al., eds. Social Interaction, Social Context and Language. Essays in Honor of Susan Ervin-Tripp. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, pp. 251–264.
  • Ochs (Keenan), E. & Solomon, O., 2004. Introduction: discourse and autism. Discourse Studies, 6(2), pp.139–146.
  • Ochs, E. et al., 2004. Autism and the social world: an anthropological perspective. Discourse Studies, 6(2), pp.147–183.
  • Ochs, E. et al., 2001. Inclusion as social practice: Views from children with autism. Social Development, 10(3), pp.399–419.
  • Redruello, D. & Ribeiro, J. eds., 2010. Desinstitucionalização das Crianças e Jovens com Deficiência: Guia, Lisboa: Instituto Nacional para a Reabilitação (INR).
  • Samuelsson, C., 2009. Using conversation analysis to study prosodic problems in a child with language impairment. Child Language Teaching and Therapy, 25(1), pp.59–88.
  • Speier, M., 1976. The child as conversationalist: some culture contact features of conversational interactions between adults and children. In M. Hammersley & P. Woods, eds. The Process of Schooling: A Sociological Reader. London: Routledge & Kegan Paul, pp. 98–103.
  • Sterponi, L., 2004. Construction of Rules, Accountability and Moral Identity by High-Functioning Children with Autism. Discourse Studies, 6(2), pp.207–228.
  • Stiegler, L.N., 2007. Discovering communicative competencies in a nonspeaking child with autism. Language, speech, and hearing services in schools, 38(4), pp.400–413.
  • Stribling, P. & Rae, J., 2010. Interactional analysis of scaffolding in a mathematical task in ASD [Autism Spectrum Disorder]. In H. Gardner & M. Forrester, eds. Analysing Interactions in Childhood: Insights from Conversation Analysis. Chichester: Wiley-Blackwell, pp. 185–208.
  • Stribling, P., Rae, J. & Dickerson, P., 2007. Two forms of spoken repetition in a girl with autism. International journal of language & communication disorders / Royal College of Speech & Language Therapists, 42(4), pp.427–444.
  • Stribling, P., Rae, J. & Dickerson, P., 2009. Using conversation analysis to explore the recurrence of a topic in the talk of a boy with an autism spectrum disorder. Clinical linguistics & phonetics, 23(8), pp.555–582.
  • van Nijnatten, C. & Heestermans, M., 2012. Communicative empowerment of people with intellectual disability. Journal of intellectual & developmental disability, 37(2), pp.100–111.
  • Venker, C.E. et al., 2012. Increasing verbal responsiveness in parents of children with autism:a pilot study. Autism, 16(6), pp.568–585.
  • Volden, J., 2004. Conversational repair in speakers with autism spectrum disorder. International journal of language & communication disorders / Royal College of Speech & Language Therapists, 39(2), pp.171–189.
  • Wetherby, A.M., 2006. Understanding and Measuring Social Communication in Children with Autism Spectrum Disorders. In T. Charman & W. Stone, eds. Social and Communication Development in Autism Spectrum Disorders: Early Identification, Diagnosis, and Intervention. New York / London: Guilford Press, pp. 3–34.
  • Ziatas, K., Durkin, K. & Pratt, C., 2003. Differences in assertive speech acts produced by children with autism, Asperger syndrome, specific language impairment, and normal development. Development and psychopathology, 15(1), pp.73–94.

ACASS-001

«Le domaine des interactions sociales est un domaine essentiel dans lequel une évaluation par l’équipe d’interventions est recommandée, pour tout enfant/adolescent avec TED [trouble envahissant du développement], tout au long de son parcours» (HAS, 2012: 15).
________

«Conversation analysis (CA) offers a powerful tool for the detailed analysis of how interactions are organised. Unlike other empirical methodologies that involve a microanalysis, CA is particularly concerned with the sequential organisation of naturally occurring interaction – that is, how one party’s actions create a context for subsequent actions» (Stribling & Rae, 2010: 188-9).

 

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Groupe d’Ethnométhodologie et d’Analyse Conversationnelle de la Clusivité sociale