Relações de Inquirição (ACRI)

ANÁLISE CONVERSACIONAL DAS RELAÇÕES DE INQUIRIÇÃO


A Análise Conversacional pode ser aplicada no âmbito de outras agendas investigativas que recorrem a diversos métodos de recolha de dados: pesquisas de campo, entrevistas, questionários, etc. Estes métodos envolvem relações de inquirição dotadas de uma dimensão interaccional constitutiva dos “dados” que recolhem e tratam. A Análise Conversacional destas relações de inquirição constitui uma exigência epistemológica de fundo, de elevada importância para investigadores ciosos de desenvolver uma ciência com consciência, que se dota dos meios de estudar os seus “dados” como artefactos interaccionais.

«To hold oneself back in the name of science is an unnatural posture. (…) The scientist’s white coat is not a cloak of invisibility. (…) Our effects on the scenes are not errors to be compensated for magically or embarrassments to be denied, but part of the phenomenon to be studied (…). Our participation always makes something happen. The ethnographer must study that something» (Moerman, 1992: 26).

Fonte: Moerman, M., 1992. Life after C.A. : An ethnographer’s autobiography. In G. Watson & R. M. Seiler, eds. Text in context. Contributions to Ethnomethodology. London: Sage, pp. 20–34.

Apelo à colaboração

Apelamos à colaboração de uma Equipa responsável por um Inquérito por questionário (hetero-administrado), a realizar no âmbito do seu próprio plano de actividades.
A colaboração seria muito simples: gravar a aplicação de alguns dos questionários deste inquérito. Bastava ligar um gravador antes de começar a aplicar o questionário (mediante consentimento prévio de cada inquirido).
Esta colaboração permitiria recolher um Corpus de gravações de aplicações de um mesmo questionário (de preferência numa área ligada à intervenção social).
Este Corpus possibilitaria a seguir a realização de um Inquérito sobre um inquérito (Inquérito de 2º Grau), consistindo numa análise conversacional da relação de inquirição aquando da aplicação dos questionários.

Aguardamos a sua proposta de colaboração…                             | E.mail: geacclissis@gmail.com


 Bibliografia:

  • Fitch, K.L., 2006. Cognitive aspects of ethnographic inquiry. Discourse Studies, 8(1), pp.51–57.
  • Fratila, A. & Sionis, C., 2006. Activating memories in interviews: an instance of collaborative discourse construction. Discourse Studies, 8(3), pp.369–399.
  • Georgakopoulou, A., 2006. The other side of the story: towards a narrative analysis of narratives-in-interaction. Discourse Studies, 8(2), pp.235–257.
  • Laforest, M., 1992. L’influence de la loquacité de l’informateur sur la production de signaux backchannel par l’intervieweur en situation d’entrevue sociolinguistique. Language Variation and Change, (4), pp.163–177.
  • Lambrou, M., 2003. Collaborative oral narratives of general experience: when an interview becomes a conversation. Language and Literature, 12(2), pp.153–174.
  • Lavin, D. & Maynard, D.W., 2001. Standardization vs. Rapport: Respondent Laughter and Interviewer Reaction during Telephone Surveys. American Sociological Review, 66(3), pp.453–479.
  • Maynard, D.W., Freese, J. & Schaeffer, N.C., 2010. Calling for Participation: Requests, Blocking Moves, and Rational (Inter)action in Survey Introductions. American Sociological Review, 75(5), pp.791–814.
  • Maynard, D.W. et al. eds., 2002. Standardization and Tacit Knowledge: Interaction and Practice in the Survey Interview, Hoboken: John Wiley & Sons.
  • Owens, E., 2006. Conversational Space and Participant Shame in Interviewing. Qualitative Inquiry, 12(6), pp.1160–1179.
  • Paoletti, I., 2001. Membership categorization and time appraisal in interviews with carers of disabled elderly. Human Studies, 24, pp.293–325.
  • Roulston, K., 2006. Close encounters of the “CA” kind: a review of literature analysing talk in research interviews. Qualitative Research, 6(4), pp.515–534.

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Groupe d’Ethnométhodologie et d’Analyse Conversationnelle de la Clusivité sociale