Arquivo da Categoria: Artigos

ACTO | Trabalho & Organizações

Num diálogo renovado com várias tradições de estudo do trabalho e das organizações, a Etnometodologia tem um grande potencial de aplicações em numerosos sectores de actividade.

CARM Conversation Analytic Role play Method2

Work - Talk

A Análise Conversacioanal tem vindo a conquistar protagonismo no domínio da Consultoria organizacional, em vários países do mundo, como indicam as citações reproduzidas no seguinte folheto informativo:

PT. – Etno-ACTO | Etnometodologia e Análise Conversacional do Trabalho e das Organizações

FR. – Ethno-ACTO | Ethnométhodologie et Analyse Conversationnelle du Travail et des Organisations

ACTO (Diagrama) - Beyond.STRATEGIO Consulting

Apresentação PREZI | Link

 ____________________

Continuar a lerACTO | Trabalho & Organizações

Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Atelier de transcrição

 ICON - GEACC

«A prática da transcrição é a verdadeira escola de formação técnico-operativa e científica de um analista da conversação. Não se trata de uma tarefa rotineira mas sim de um laboratório de observação e de análise, rico em (re)descobertas. A transcrição é para o analista da conversação o que a observação de campo é para o etnógrafo: um terreno, microscópico, de observação detalhada dos comportamentos interacionais indexados a uma situação social em constante redefinição local» (Binet, 2013).

CARM Conversation Analytic Role play Method2

Atelier de Transcrição Científica e Profissional | Dados a transcrever e anotar:

Gravações áudio de entrevistas

Gravações áudio de Grupos de discussão focalizada (Focus Group)

Gravações áudio de interações verbais ocorridas em contextos “naturais” (não provocadas nem modificadas para efeitos de investigação)

Gravações áudio de interações conversacionais institucionalmente enquadradas: audiências e depoimentos jurídicos, reuniões empresariais, seminários e conferências, etc.

Filmagens (audiovisuais)

Convenções de transcrição:

Ortográfica

Convenção GEACClissis (Adapt. Jefferson, 2004 + Nova Convenção: Binet, 2011)

Transcrição | Template GEACClissis

Convenção Jeffersoniana (AC)

Fonética (International Phonetic Association)

Anotações multimodais

Anonimização (vários níveis)

Programa:

O nosso atelier recorre ao Programa ELAN, do Max Planck Institute, que assegura uma transcrição/anotação temporalmente alinhada e potencia ferramentas avançadas de busca e pesquisa dos dados, para efeitos de análise longitudinal (análise intensiva de uma dada gravação) ou transversal (análise extensiva de todo um corpus transcrito). Link: http://tla.mpi.nl/tools/tla-tools/elan/

Digitalização (formatos .wav, .mp3, etc.) de gravações analógicas (ex.: minicassetes)

Sinalização e transcrição pormenorizada de fenómenos interaccionais delimitados (sobreposições de fala, risos, actos ameaçadores da face, etc.)

Edição das transcrições finais

Organização de Sessões de análise de dados áudio ou áudiovisuais (Data Sessions)


Links:

Hepburn, A. & Potter, J., 2009. Transcription. Loughborouh University. Available at:http://homepages.lboro.ac.uk/~ssjap/transcription/transcription.htm.
.

Transcription in Action: Resources for The Representation of Linguistic InteractionESOURCES FOR THE REPRESENTATION OF LINGUISTIC INTERACTION


 Garantimos protecção da confidencialidade dos seus dados.

 


 
  • Almeida (de), R., 2011. Anonimizar transcrições: problemas éticos e metodológicos. In Workshop Internacional “NÃO SE IMPORTA QUE EU GRAVE?” Ética e Metodologia da investigação sobre interacções discursivas (GIID-CLUNL / ILTEC). Lisboa: FCSH-UNL.
  • Binet, M., 2012. A transcrição como teoria-em-reconstrução: a indução como prática metodológica. Documento de Trabalho do GIID no37. Lisboa: FCSH-UNL.
  • Binet, M., 2011. Proposta de uma nova convenção de transcrição em Análise da Conversação. Documento de Trabalho do GIID no32. Lisboa: FCSH-UNL.
  • Bucholtz, M., 2007. Variation in transcription. Discourse Studies, 9(6), pp.784–808.
  • Duranti, A., 2006. Transcripts, like shadows on a wall. Mind, Culture and Activity, 13(4), pp.301–310.Edwards, J.A. & Lampert, M.D. eds., 1993. Talking Data: Transcription and Coding Methods for Language Research, Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.
  • Freitas, T., 2010. Gravando e Transcrevendo o Português Falado: Um Guia Teórico e Prático. In Estudos de Corpora. Da teoria à prática. Lisboa: Colibri, pp. 15–66.
  • Gago, P.C., 2002. Questões de transcrição em Análise da Conversa. Veredas (UFJF), 6(2), pp.89–113.
  • Garcez, P.M., 2002. Transcrição como teoria: a identificação dos falantes como atividade analítica plena. In L. P. da M. Lopes & L. C. Bastos, eds.Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas, SP: Mercado de Letras, pp. 83–95.
  • Hamo, M., Blum-Kulka, S. & Hacohen, G., 2004. From Observation to Transcription and Back: Theory, Practice, and Interpretation in the Analysis of Children’s Naturally Occurring Discourse. Research on Language and Social Interaction, 37(1), pp.71–92.
  • Jefferson, G., 2004. Glossary of transcript symbols with an introduction. In G. H. Lerner, ed. Conversation Analysis. Studies from the first generation. Amsterdam: John Benjamins, pp. 13–31.
  • Jefferson, G., 1983. Issues in the transcription of naturally-occurring talk: Caricature versus capturing pronunciational particulars. Tilburg Papers in Language and Literature, 34, pp.1–12.
  • Monteiro, D., 2012. Proposta de representação gráfica de operações de reprodução e de manipulação de falas associadas ao uso do discurso relatado em interacções orais. Documento de Trabalho do GIID no42. Lisboa: FCSH-UNL.
  • Ochs, E., 1979. Transcription as theory. In E. Ochs & B. B. Schieffelin, eds. Developmental pragmatics. New York: Academic Press, pp. 43–72.
  • Psathas, G. & Anderson, W.T., 1990. The “practices” of transcription in conversation analysis. Semiotica, 78(1/2), pp.75–99.
  • Rittaud-Hutinet, C., 1986. Corpus oraux et édition: Quelle transcription pour quelle lecture? TRANEL (Travaux Neuchâtelois de Linguistique), 11, pp.197–221

 

Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

GEACC

ACASS

Sous-Groupe de Recherche du « Centro Lusíada de Investigação em Serviço Social e Intervenção Social » (CLISSIS), le GEACC est un Groupe de recherche interdisciplinaire (anthropologie – linguistique interactionnelle – service social – sociologie) spécialisé en Analyse Conversationnelle appliquée dans le domaine du service social (Social Work).

Dans le cadre de son Projet ACASS (Analyse Conversationnelle Appliquée au Service Social), le GEACC développe au Portugal des Études de Corpus d’Enregistrements sonores et audiovisuels d’interactions conversationnelles institutionnellement encadrées:

-Corpus ACASS-1 | Corpus de 50 heures d’enregistrements sonores d’entretiens d’aide sociale en divers services sociaux de la région de Sintra;

-Corpus ACASS-2 | Tri-Corpus d’enregistrements sonores (1) d’entretiens d’aide sociale, (2) de visites au domicile et (3) de réunions de travail, trois cadres interactionnels propres au fonctionnement d’un même service social de la région de l’Alentejo, qui travaille dans le secteur de la protection de l’enfance et de l’accompagnement des familles;

-Corpus ACASS-3 / RePort | Reporting Problems: A Conversation Analytic Approach to Social Work Interaction in Portugal. Corpus multimodal d’enregistrements sonores et audiovisuels des interactions de travail du secteur hospitalier, au sein de services sociaux de la région de Setúbal.

Le GEACC développe également le Projet ACAA (Analyse Conversationnelle Appliquée dans le domaine de l’Autisme), recherche-action dans le champ de l’inclusion sociale de personnes en situation d’handicap intellectuel, centrée notamment sur la compétence conversationnelle des interactants en tant que facteur-clé des dynamiques d’inclusion microsociale (ou interactionnelle).


Logo_CLISSIS

Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts