Convenções de transcrição

«A prática da transcrição é a verdadeira escola de formação técnico-operativa e científica de um analista da conversação. Não se trata de uma tarefa rotineira mas sim de um laboratório de observação e de análise, rico em (re)descobertas. A transcrição é para o analista da conversação o que a observação de campo é para o etnógrafo: um terreno, microscópico, de observação detalhada dos comportamentos interacionais indexados a uma situação social em constante redefinição local» (Binet, 2013).


Convenções de transcrição jeffersonianas
(adapt. Jefferson, 2004 – em francês)

[Cliquer pour agrandir] (Binet & Jondeau, 2022: 21 ; en français)

Convenções de transcrição jeffersonianas
(adapt. Jefferson, 2004 + Nova Convenção: Binet, 2011)
Em português

—> LINK <—


Convenções de transcrição jeffersonianas

apresentadas num website mantido
por
Emanuel Schegloff

—> LINK <—


 

Transcrições e anotações multimodais (Mondada, 2018 ; Mondada, Monteiro & Tekin, 2020) : a-fala-e-o-corpo-em-interação

Source : Mondada, Monteiro & Tekin (2020: 62) [Clicar para ampliar]

Anonimização (vários níveis) (Almeida, 2011)

Programa:

O Programa ELAN, do Max Planck Institute, assegura uma transcrição/anotação temporalmente alinhada e potencia ferramentas avançadas de busca e pesquisa dos dados, para efeitos de análise longitudinal (análise intensiva de uma dada gravação) ou transversal (análise extensiva de todo um corpus transcrito). Link: https://archive.mpi.nl/tla/elan

Serviço Social Hospitalar – Entrevista de Serviço Social realizada pela mediação de uma Chamada de voz por telefone – Gravação transcrita e anotada com o auxílio do software ELAN (Pinto & Binet)

  • Almeida (de), R., 2011. Anonimizar transcrições: problemas éticos e metodológicos. In Workshop Internacional “NÃO SE IMPORTA QUE EU GRAVE?” Ética e Metodologia da investigação sobre interacções discursivas (GIID-CLUNL / ILTEC). Lisboa: FCSH-UNL.
  • BINET, Michel; JONDEAU, Claire – Autoconfrontation accompagnée et relations de co-production de savoirs : L’ouverture conversationnelle d’un entretien d’accompagnement en Économie sociale familiale (DT-001cr). Documentos de trabalho do Lab-FEACC. 001 (2022) 1–21.
  • Binet, M., 2012. A transcrição como teoria-em-reconstrução: a indução como prática metodológica. Documento de Trabalho do GIID no37. Lisboa: FCSH-UNL.
  • Binet, M., 2011. Proposta de uma nova convenção de transcrição em Análise da Conversação. Documento de Trabalho do GIID no32. Lisboa: FCSH-UNL.
  • Bucholtz, M., 2007. Variation in transcription. Discourse Studies, 9(6), pp.784–808.
  • Duranti, A., 2006. Transcripts, like shadows on a wall. Mind, Culture and Activity, 13(4), pp.301–310.Edwards, J.A. & Lampert, M.D. eds., 1993. Talking Data: Transcription and Coding Methods for Language Research, Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.
  • Freitas, T., 2010. Gravando e Transcrevendo o Português Falado: Um Guia Teórico e Prático. In Estudos de Corpora. Da teoria à prática. Lisboa: Colibri, pp. 15–66.
  • Gago, P.C., 2002. Questões de transcrição em Análise da Conversa. Veredas (UFJF), 6(2), pp.89–113.
  • Garcez, P.M., 2002. Transcrição como teoria: a identificação dos falantes como atividade analítica plena. In L. P. da M. Lopes & L. C. Bastos, eds.Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas, SP: Mercado de Letras, pp. 83–95.
  • Hamo, M., Blum-Kulka, S. & Hacohen, G., 2004. From Observation to Transcription and Back: Theory, Practice, and Interpretation in the Analysis of Children’s Naturally Occurring Discourse. Research on Language and Social Interaction, 37(1), pp.71–92.
  • Jefferson, G., 2004. Glossary of transcript symbols with an introduction. In G. H. Lerner, ed. Conversation Analysis. Studies from the first generation. Amsterdam: John Benjamins, pp. 13–31.
  • Jefferson, G., 1983. Issues in the transcription of naturally-occurring talk: Caricature versus capturing pronunciational particulars. Tilburg Papers in Language and Literature, 34, pp.1–12.
  • MONDADA, Lorenza – Multiple Temporalities of Language and Body in Interaction : Challenges for Transcribing Multimodality. Research on Language and Social Interaction. 51:1 (2018) 85–106.
  • MONDADA, Lorenza; MONTEIRO, David; TEKIN, Burak S. – The tactility and visibility of kissing : Intercorporeal configurations of kissing bodies in family photography sessions. In CEKAITE, ASTA; MONDADA, LORENZA (Eds.) – Touch in Social Interaction : Touch, Language, and Body. London : Routledge, 2020. p. 54–80.
  • Monteiro, D., 2012. Proposta de representação gráfica de operações de reprodução e de manipulação de falas associadas ao uso do discurso relatado em interacções orais. Documento de Trabalho do GIID no42. Lisboa: FCSH-UNL.
  • Ochs, E., 1979. Transcription as theory. In E. Ochs & B. B. Schieffelin, eds. Developmental pragmatics. New York: Academic Press, pp. 43–72.
  • Psathas, G. & Anderson, W.T., 1990. The “practices” of transcription in conversation analysis. Semiotica, 78(1/2), pp.75–99.
  • Rittaud-Hutinet, C., 1986. Corpus oraux et édition: Quelle transcription pour quelle lecture? TRANEL (Travaux Neuchâtelois de Linguistique), 11, pp.197–221

 



Citar este post
Michel G. J. Binet (2014, 23 Fevereiro). Convenções de transcrição. Lab•FEACC. Recuperado em 14 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/oy1z

Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Consultant - Formateur - Traducteur (portugais-français) - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.