Análise Social, nº215 | Rodrigues & Binet, 2015

 

Análise Social   Revista do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Rodrigues, A.D. & Binet, M., 2015. “Não se importa que eu grave?” – Questões éticas e paradoxo do observador nos atendimentos de ação social. Análise Social, L (2.o)(215), pp.278–303.

________

«Na observação “naturalista” de interações conversacionais, registadas nos seus contextos vulgares de ocorrência, como no caso do presente estudo (…), a obtenção do consentimento dos interactantes, técnicos e utentes dos serviços sociais, leva os investigadores a enfrentar o chamado paradoxo do observador: como observar, sem ou com poucas interferências, o “normal” desenrolar das interações estudadas, sem, no entanto, deixar de obter o devido consentimento informado de todos?» (Rodrigues & Binet, 2015: 279-280).

analisesocial.ics.ul.pt documentos AS_215_a03.pdf

Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-UL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Coord. do Lab•FEACC - Chercheur Associé ADAC - Consultant - Formateur - Traducteur (portugais-français) - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Michel G. J. Binet (18 de Julho de 2015). Análise Social, nº215 | Rodrigues & Binet, 2015. Lab•FEACC. Recuperado em 14 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/oy2c


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.