5-ECRANIZAÇÃO e INTERAÇÕES MEDIATIZADAS por DISPOSITIVOS de COMUNICAÇÃO DISTANCIAL PRIVADA ou PÚBLICA

Coord. | Márcia Rodrigues Lisboa & Sandro Brincher

Esta linha, identificada por uma primeira palavra-chave resultante da tradução em português de um neologismo introduzido recentemente em francês, Écranisation, é dedicada ao estudo das Interactions Multimodales Par ÉCran, nome dos Colóquios IMPEC co-promovidos pelo ICAR (a mais importante Unidade de investigação francesa em AC).
O objetivo desta linha consiste em desenvolver, no seio do nosso Grupo, atividades investigativas, que poderão, se houver oportunidade, ser convertidas em projetos, de modo a assegurar a nossa participação regular nos Colóquios IMPEC, organizados bianualmente. Com efeito, estes Colóquios estão na linha da frente do desenvolvimento da Digital Conversation Analysis (DCA) e da Microanalysis Of Online Data (MOOD) (Giles et al., 2015).

Os estudos fenomenológicos e em Análise Conversacional (AC) não podem ignorar o desenvolvimento nas nossas sociedades das IMPEC (Interactions Multimodales Par ÉCran), imperativo que se traduz, portanto, pela abertura no nosso Grupo de uma Linha de investigação dedicada.
As interações mediatizadas por dispositivos equipados de um ecrã (dispositivos ecranicos) são partes integrantes do conjunto mais vasto das interações mediatizadas por dispositivos de comunicação distancial, síncrona (uma chamada de voz por telefone) ou assíncrona (uma mensagem de voz gravada numa aplicação (app) para telemóveis, que só pode ser ouvida posteriormente à sua gravação ; Ex.: Whatsapp).
Co-existem hoje uma grande diversidade de tais dispositivos, com funcionalidades e possibilidades de utilização (affordances) variadas, vocais, textuais e/ou multimídia :

  • Chamadas de voz por telefone (comunicação privada)
  • Videochamadas por telemóveis (app) (comunicação privada)
  • Videochamadas por computadores multimídia (plataformas digitais funcionando com computadores equipados de ecrã, microfone e webcam), entre dois ou muito mais utilizadores
  • Redes sociais digitais (ex.: Facebook), permitindo comunicações (públicas ou semi-públicas [grupos fechados]) por posts (textuais ou multimídia) e por comentários textuais e pictográficos (ex.: emojis e emoticons)
  • Websites noticiosos e fóruns admitindo a publicação de comentários textuais
  • Chat rooms (que podem funcionar em paralelo a uma videochamada)
  • Emails
  • Short Message Services (SMS) e Multimedia Message Services (MMS)
  • Etc.

Este vasto conjunto de dispositivos, em transformação e evolução constantes, constituem uma importante área de investigação, do ponto de vista dos estudos interacionais e comunicacionais. Se a vida social é, por uma parte essencial e fundamental, uma vida interacional e comunicacional, estes dispositivos e as suas utilizações constituem importantes objetos de estudo.
As vidas laborais foram também transformadas por estes dispositivos, cuja introdução e utilização generalizada desencadearam uma revolução sociotécnica, apelida por vezes de transição digital.
O Serviço Social é também atravessado por esta transição digital. Por isso, não é de estranhar que os corpora de gravações coletados nos projetos das Linhas de investigação 1 e 2 alimentam em dados esta 3ª Linha, com, sobretudo, gravações de Entrevistas de Serviço Social realizadas pela mediação de chamadas de voz por telefone, no domínio do Serviço Social Hospitalar ou no do Aconselhamento e acompanhamento em Economia Social e Familiar (ESF).
Neste último domínio, ficou planeado coletar em 2023 um novo corpus de gravações vídeo de Entrevistas de acompanhamento em ESF realizadas pela mediação de videochamadas por computadores [Linha 2].

No que diz respeito ao Estudo das interações presenciais, Erving Goffman já tinha explorado e demonstrado a heuristicidade do Estudo dos jogos, para o avanço e o aprofundamento dos estudos interacionais (Goffman, Fun in Games, 1972).
À luz deste precedente, a nossa Equipa considera que os estudos desenvolvidos por Sandro Brincher, na área dos jogos online multiplayers, podem dar importantes contributos para o avanço desta 3ª Linha de investigação dedicada às interações telepresenciais.

Serviço Social Hospitalar – Entrevista de Serviço Social realizada pela mediação de uma Chamada de voz por telefone – Gravação transcrita e anotada com o auxílio do software ELAN

A profissão de assistente social se exerce na interface da oralidade e da escrita, como documentam vários dos nossos estudos, que não deixam fora do seu âmbito os textos (manuscrits ou tapuscrits) produzidos pelos profissionais, em montante, durante e/ou em jusante das suas interações verbais com utentes.

Por fim, é importante ainda acrescentar que a Digital Conversation Analysis dá contribuições de elevado interesse na área da netnografia (ou estudo das redes sociais digitais, por capturas de ecrã). Os murais das pessoas e de grupos interagindo nas redes sociais digitais são hoje terrenos digitais que a pesquisa etnográfica não pode ignorar. Os conteúdos textuais destes murais, posts e comentários são gerados por uma escrita rica em traços interacionais, que os analistas conversacionais são particularmente bem habilitados para descrever e analisar.


Bibliografia

BINET, Michel; JONDEAU, Claire; MONTEIRO, David – Enregistrer et analyser un dispositif d’autoconfrontation accompagnée en ligne à partir d’enregistrements d’entretiens téléphoniques d’accompagnement social. In Interactions Multimodales Par ÉCran (IMPEC) 2022. Lyon : Laboratoire ICAR (CNRS, Université Lyon 2, ENS de Lyon), 7 juill. 2022.

BRINCHER, Sandro; MOUTINHO, Ricardo – The intricacies and overlaps of Lebenswelt and Spielwelt during an instructed match of Counter Strike : GO. Ethnographic Studies. 18 (2021) 238–262.

COLÓN DE CARVAJAL, Isabel – La mobilisation des artefacts technologiques dans l’interaction : Analyse linguistique et multimodale des pratiques professionnelles en centre d’appels. Lyon : Université Lumière Lyon II, 2010 . Thèse de doctorat en Sciences du Langage (dir. Lorenza Mondada).

DEVELOTTE, Christine et al.Fabrique de l’interaction parmi les écrans : formes de présences en recherche et en formation [Em linha]. Montréal : Ateliers [sens public], 2021 [Consult. 9 jul. 2022]. Disponível em WWW:<URL:http://ateliers.sens-public.org/fabrique-de-l-interaction-parmi-les-ecrans/>.

GILES, David et al. – Microanalysis Of Online Data: The methodological development of “digital CA”. Discourse, Context & Media. 7 (2015) 45–51.

GOFFMAN, Erving – Fun in games. In Encounters : Two Studies in the Sociology of Interaction. 2. ed. Harmondsworth : Penguin University Books, 1972. p. 15–72.

HUTCHBY, Ian – Conversation and Technology : From the Telephone to the Internet. Cambridge : Polity Press, 2001

IBNELKAÏD, Samira – Pour une analyse phénoménolinguistique de l’identité en interaction numérique. SHS Web of Conferences. 20:(ICODOC 2015-Colloque Jeunes Chercheurs du Laboratoire ICAR) (2015) 1–10.

LUFF, Paul et al. – Fractured Ecologies: Creating Environments for Collaboration. Human–Computer Interaction. 18:1–2 (2003) 51–84.

MLYNÁŘ, Jakub; GONZÁLEZ-MARTÍNEZ, Esther; LALANNE, Denis – Situated Organization of Video-Mediated Interaction: A Review of Ethnomethodological and Conversation Analytic Studies. Interacting with Computers. 30:2 (2018) 73–84.

MONTEIRO, David; BINET, Michel – Managing mobility and progressivity in video-mediated interviews. In Interactions Multimodales Par ÉCran (IMPEC) 2022. Lyon : Laboratoire ICAR (CNRS, Université Lyon 2, ENS de Lyon), 7 juill. 2022.

ONG, Kenneth Keng Wee – Disagreement, confusion, disapproval, turn elicitation and floor holding: Actions as accomplished by ellipsis marks-only turns and blank turns in quasisynchronous chats. Discourse Studies. 13:2 (2011) 211–234.


Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Consultant - Formateur - Traducteur (portugais-français) - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Groupe d’Ethnométhodologie et d’Analyse Conversationnelle de la Clusivité sociale

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search