Participação do GEACC no 5º Congresso Internacional de Serviço Social (5CISS) | 21-22/03/2019

5º Congresso Internacional de Serviço Social | ISSSL-ULL

Link | 5CISS


5ª-feira, dia 21 de Março de 2019
Eixo 2 – Inovação na intervenção social com grupos vulneráveis
Auditório 3 | 14h45
Título da comunicação | Identificando e excluindo potenciais cuidadores informais em atendimentos de Serviço Social: Análise conversacional das operações de categorização
.
Co-autores
David Monteiro (GEACC) & Michel Binet (GEACC, Coord.)
.
Resumo | Revisitando a investigação de Harvey Sacks sobre as práticas linguísticas e interaccionais empregues por profissionais em linhas telefónicas de prevenção do suicídio para identificar, categorizar e ordenar potenciais recursos informais de acordo com a sua proximidade com o utente e consequente expectativa de prestação de apoio (Sacks, 1967), a presente comunicação visa investigar os métodos usados por profissionais e utentes para identificar redes de suporte informal (e/ou dar conta da sua ausência) em atendimentos de Serviço Social. Aplicando o paradigma teórico-metodológico da Análise da Conversação Etnometodológica (Sidnell & Stivers, 2012) ao estudo do Serviço Social (Binet, 2013; Monteiro, 2019), este estudo tem como base um corpus de gravações audiovisuais de atendimentos sociais realizados em diversas instituições portuguesas, procedendo a uma análise sequencial de práticas interaccionais dos participantes. Uma tal abordagem, aqui centrada na análise de categorias de pertença (Sacks, 1992 ; Binet, 2012) permite observar como, em sede de atendimento social, a identificação de cuidadores informais é sistematicamente feita com referência à ‘família’ ou a um modelo ‘familialista’ (Lenoir, 2005) então institucionalizado ou reelaborado no aqui e agora da interação, e como a ordenação dos membros da unidade familiar enquanto potenciais incumbentes da prestação de apoio informal é realizada com base no critério da sua ‘proximidade’ com o utente, entendida pelos participantes como relativa quer à inclusão numa unidade familiar nuclear, quer à distância geográfica. A análise destas práticas demonstra que, através da produção colaborativa de descrições de situações problemáticas experienciadas pelos utentes – decorrentes de uma tensão entre uma expectativa de que cuidados informais sejam prestados por familiares próximos, e a efectiva incapacidade destes para o exercício de tais responsabilidades devido à sua situação pessoal, familiar e profissional específica –, os participantes negoceiam, de forma concertada, a legitimização do pedido de intervenção dirigido pelo(s) utente(s) ao profissional e à instituição.

5ª-feira, dia 21 de Março de 2019
Eixo 2 – Inovação na intervenção social com grupos vulneráveis
Sala 6E | 14h
Título da comunicação | Aplicando a análise conversacional multimodal ao estudo de atendimento de Serviço Social.
.
Autor
David Monteiro (GEACC)
.
Resumo | A presente proposta visa apresentar o meu projecto de doutoramento em Linguística, presentemente concluído, intitulado “A conversation analytical approach to Social Work encounters in Portugal”. Abordando a intervenção social enquanto fenómeno interaccional, este projecto examina interacções face-a-face realizadas entre profissionais e utentes em sede de atendimento de Serviço Social, demonstrando como estas interacções são organizadas pelos participantes através da produção situada de acção, resultante da mobilização de recursos linguísticos e corporais – fala, gestos, olhar, mobilidade e manipulação de objectos materiais. Inscrevendo-se no paradigma teórico-metodológico da Análise da Conversação Etnometodológica (ver Sidnell & Stivers, 2012; Binet, 2012), este projecto procede a uma análise da organização sequencial (ver Schegloff, 2007) e multimodal (ver Mondada, 2018) das interacções em estudo, tendo como base empírica um corpus de gravações audiovisuais de atendimentos de Serviço Social (recolhidas ao longo de três anos em diversas instituições portuguesas). Aplicando a Análise da Conversação Etnometodológica na sua vertente multimodal ao estudo de um domínio profissional específico – o exercício do Serviço Social, em Portugal e em língua portuguesa –, este projecto analisa, de forma detalhada, a organização sequencial e multimodal de diversas actividades realizadas por profissionais de Serviço Social e utentes em sede de atendimento (nomeadamente nas fases de abertura e diagnóstico social, de formalização do processo, de encaminhamento de fecho da interacção). Tal perspectiva microanalítica permite observar como, de forma concertada, os participantes operacionalizam e negoceiam a distribuição de tarefas entre si relativamente às situações problemáticas levadas a atendimento e, por conseguinte, à carreira institucional daí resultante, assegurando aos utentes a participação e exercício activo da cidadania e um efectivo acompanhamento por parte dos profissionais ao longo deste processo.

6ª-feira, dia 22 de Março de 2019
Eixo 5 – Ensino do Serviço Social
Sala 4E | 9h30-11h
Título da comunicação | Co-investigação em Serviço Social e valorização académica dos saberes dos profissionais: Um novo modelo de orientação de dissertações/teses baseado nos contributos da etnometodologia
.
Co-autores
Michel Binet (GEACC, Coord.) & Tânia Pinto (GEACC)
.

Resumo | Ciência da ação e da sua racionalização local (Binet, 2016 ; Enfield & Sidnell, 2017), a etnometodologia ambiciona descrever detalhadamente as competências e os saberes que os membros de comunidades de prática profissional adquirem e aperfeiçoam no terreno, para copilotarem metodica e racionalmente as suas atividades concertadas (Soulet, 1997): atendimentos de utentes, reuniões de equipa, etc. Um dos desafios da investigação em Serviço Social realizada para obtenção de graus académicos (Mestrado/Doutoramento) consiste em desenvolver modelos de orientação e metodologias de investigação capazes de valorizar academicamente estes saberes construídos nas ações e interações profissionais (Rullac, 2012).Apresentada em co-autoria, a presente comunicação pretende contribuir em responder a este desafio mediante o relato pormenorizado de uma relação de co-produção de conhecimentos unindo um orientador e uma mestranda pertencentes a um dos grupos de investigação do CLISSIS, o Grupo de Etnometodologia e Análise Conversacional da Clusividade social (GEACC).

Assistente social em meio hospitalar, com uma bagagem experiencial de vários anos, a mestranda entabulou negociações de abertura do seu próprio terreno profissional para autorizar a coleta de um corpus de gravações, que abrange três quadros interacionais de intervenção social: Interações com doentes, reuniões com familiares e reuniões de equipa. Sessões (elas próprias gravadas) de audição e de análise realizadas conjuntamente com o orientador permitiram à profissional de explicitar por autoconfronto os seus próprios saberes acionais e reflexivos, ativando a sua memória sempre que oportuno, para completar os dados capturados pelas gravações, por registos memoriais de outros episódios interacionais (não gravados). Numa junção da auto-etnografia e da Co-análise conversacional etnometodológica, a comunicação exemplificará os saberes profissionais passíveis de serem explicitados ao abrigo de uma tal metodologia de co-investigação, que, se reivindicando da Recherche praticienne em Serviço Social (Lavergne (de), 2007), mantém sempre o profissional em posição de autoridade epistémica, ponto fulcral deste modelo de orientação.


Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.