4-Formalização conjunta dos micro-saberes capacitantes e empoderadores em interações atípicas (IA) – Projeto Lab-FEACC-IA-01


COOPERAÇÃO

ISSSL-UL / FENACERCI / CLISSIS

Área |Investigação científica


PROJETO de CO-INVESTIGAÇÃO | Lab-FEACC-IA-01

Formalização conjunta dos micro-saberes capacitantes e empoderadores em interações atípicas : Estudos intensivos, colaborativos e inclusivos de dois quadros interacionais na CERCIAMA

Estudo 1 | Micro-management do direito dos utentes a serem ouvidos na primeira pessoa pela equipa dirigente

Estudo 2 | Small Talk e capacitação em terapia ocupacional : co-investigação inclusiva e interformação parental 

Coord. Michel Binet
ISSSL & CLISSIS


CONTEXTO

O presente documento vem formalizar por escrito um projeto, que foi concebido e desenhado colaborativamente, no decurso de uma ida ao terreno, no dia 9 de Março de 2023. O desenho do projeto contou com a interlocução e com contribuições de Ana Brás, Isabel Rendas, Sandra Leal e Beatriz Silva.

A realização de uma visita de terreno foi sugerida por Ana Brás, durante uma primeira reunião, de apresentação e de discussão das orientações de pesquisa do G-FEACC e dos planos de cooperação entre a FENACERCI, o ISSSL-UL e o CLISSIS, que se realizou no dia 7 de Março de 2023, nas instalações da FENACERCI, com a participação de Joaquim Pequicho, Sara Neto, Ana Brás, Isabel Rendas, Sandra Leal e Michel Binet. O objetivo principal desta reunião consistia em envolver a CERCIAMA nestes planos de cooperação, na vertente investigativa. A sugestão de visitar a instituição, para facilitar o desenho de um projeto de investigação, com base num melhor conhecimento da instituição, foi logo aprovada como muito pertinente, de um ponto de vista etnográfico.

A ida ao terreno do dia 9 de Março de 2023 consistiu (1) numa visita da instituição, guiada por Ana Brás, Isabel Rendas e Sandra Leal ; (2) numa reunião de trabalho, com os participantes na visita ; (3) numa visita de um projeto em curso, intitulado « Casa Cool », que funciona noutras instalações, que foi guiada por Beatriz Silva ; (4) numa nova reunião de trabalho, com Isabel Rendas e Sandra Leal, no decurso da qual os projetos abaixo apresentados foram esboçados e discutidos de modo detalhado ; e (5) numa exposição e discussão dos projetos com Ana Brás.


Estudo 1 | Micro-management do direito dos utentes a serem ouvidos na primeira pessoa pela equipa dirigente

Durante a visita de terreno, foi possível observar, num contexto local de neurodiversidade (Rosqvist, Chown & Stenning, 2020), interações conversacionais ditas atípicas (Antaki & Wilkinson, 2013 ; Wilkinson, Rae & Rasmussen, 2020), entre utentes e membros da equipa dirigente, nos vários espaços ocupados coletivamente, que foram visitados. Cada utente era identificado como membro da instituição, e, mais especificamente, como membro do grupo ocupando o respetivo espaço.

Houve um elevado grau de personalização das trocas conversacionais. As falas não eram endereçadas apenas ao grupo, mas, sim, também, a cada membro individual do mesmo, identificado e tratado como pessoa singular, com recurso ao nome próprio (Harré, 1998). No entanto, estas falas estavam presas dentro dos condicionamentos temporais inerentes às atividades coletivas em curso, suspensas pela visita. A sala não é um lugar nem um momento que favorecem o exercício do direito de cada utente a falar demoradamente e a ser ouvido pela equipa dirigente. Com efeito, o utente é pressionado a re-investir o seu papel de ator participante em atividades coletivas que decorrem na sala.

Para completar as observações realizadas durante a visita, a equipa dirigente mencionou a existência de um direito a pedir para ser recebido e ouvido, frequentemente exercido por utentes. Trata-se de um quadro interacional autónomo, dotado de fronteiras espacial e temporal próprias. Não é um quadro interacional que é parte integrante do regular funcionamento das salas e respetivos serviços que as ocupam. É um quadro interacional da função dirigente, próprio da cultura organizacional da CERCIAMA. Trata-se de um momento separado e autónomo, que decorre num gabinete de saúde, que funciona também como sala de reunião.

O alcance ético-político desta possibilidade de ação mantida pela CERCIAMA é potencialmente muito interessante, do ponto de vista do debate sobre os discursos portadores de uma injunção para “desinstitucionalizar”, imposta de cima para baixo, contra instituições retratadas superficialmente como “obstáculo” e até “ameaça” para a promoção da autonomia e da inclusão na comunidade das pessoas deficientes.

Esta visão é informada e motivada por um conhecimento superficial dos funcionamentos institucionais. Uma parte importante do trabalho realizado dentro das instituições carece, com efeito, de visibilidade exterior (Pithouse, 1987), o que deixa o campo livre para retratos superficiais que ignoram soberbamente as numerosas contribuições das instituições na promoção da autonomia e da inclusão na comunidade das pessoas deficientes.

Tornar visível e comunicável o trabalho realizado dentro das instituições surge, portanto, como um importante objeto em jogo, em vários planos, interligados : a ciência e a produção de conhecimentos ; o (re)desenho das políticas públicas ; a formação inicial e continua dos profissionais ; e a prática reflexiva de cada cargo funcional e posto de trabalho.

O dispositivo de co-análise reflexiva das práticas profissionais mobilizado no quadro do presente projeto é desenhado para contribuir na redução do desconhecimento e da subsequente desvalorização, às vezes caricatural, do trabalho realizado nas instituições.

Coleta de um corpus de autofilmagens

Como apurado por entrevista, durante a visita de terreno, reunir com um utente na sala de reunião supracitada, na sequência de um pedido para falar com um membro da equipa dirigente, é, na CERCIAMA, ume situação de fala e de escuta recorrente, que configura um quadro interacional estabilizado, que constitui o objeto do primeiro estudo.

Filmar, com os consentimentos informados de todas as partes envolvidas, estas “reuniões”[1], dado o seu caracter recorrente e minimamente planeado, é tecnicamente exequível : entre o pedido para reunir e a reunião, a equipa dirigente dispõe do tempo necessário à preparação do equipamento de filmagem.

Este equipamento consiste numa câmara 360º com microfone integrado, ligada a um computador. Cada filme realizado com este equipamento potencia uma multiplicidade de visionamentos com diferentes focos de atenção visual. A orientação dos olhares, as expressões mimico-faciais, os gestos, etc., de cada interactante são capturados e passíveis de serem visionados no mesmo filme. O objeto de estudo pode ser agora definido com maior precisão : a-fala-e-o-corpo-em-interação e todas as ações realizadas por estes meios multimodais.

Reunir com um utente é realizar uma dupla atividade falante e corporal. A ação de apoiar, de incentivar a continuar a falar, por exemplo, pode ser realizada por micro-expressões mimico-faciais, micro-gestos, que constituem micro-saberes de ação que, dominados e praticados com muita competência, são, no entanto, muito dificilmente apreendidos por questionários[2] (Williams, 2011: 204).

O profissional, que sabe na prática[3], tende em não ter plena consciência dos seus próprios saberes, o que empobrece as suas respostas a questionários ou entrevistas clássicas. A sua prática é, assim, muito mais rica do que as respostas que dá em situação de entrevista ou de aplicação de um questionário.

Entrevistas filmadas de autoconfronto acompanhado como Dispositivo de co-análise conversacional e explicitante das práticas e dos saberes profissionais

Se, em vez de confrontar o profissional com perguntas de um questionário ou de um guia de entrevista, se opta por convidar o profissional a visionar um filme da sua própria prática, as descrições e as análises passíveis de serem co-produzidas, pelo profissional e pelo investigador que o acompanha, são de uma grande riqueza (Theureau, 2010 ; Binet & Jondeau, 2022).

Desenho : David Monteiro

O trabalho de co-descrição é enriquecido e guiado pela metalinguagem de descrição e de análise da Análise Conversacional, sem nunca deixar de manter o profissional em posição de autoridade epistémica : é o profissional que detém e domina os saberes de ação que constituem o objeto de estudo. Para o profissional, uma tal co-investigação é um percurso acompanhado de redescoberta, de re-conhecimento e de valorização dos seus próprios saberes, que nada tem a ver com uma situação assimétrica de avaliação do seu desempenho profissional por um avaliador alegadamente mais competente, em posição mais alta do que ele em termos de autoridade epistémica. O investigador não é um profissional do mesmo ramo de atividade e tem tudo a aprender do profissional, que é o verdadeiro e único perito, solicitado como tal, das suas próprias práticas. Este dispositivo empodera o profissional como co-investigador que lidera um processo de mapeamento e de descrição detalhada dos seus próprios saberes, gerador de numerosas tomadas de consciência da riqueza das suas competências e da complexidade das situações que co-pilota profissionalmente.

Do ponto de vista do investigador, os conhecimentos sobre as práticas e os saberes profissionais são co-construídos e validados no curso da sua produção pelos próprios profissionais. Esta validação pelos profissionais, membros da instituição envolvida na pesquisa, não é uma forma de validação menor ou opcional, mas, bem pelo contrário, o principal modo de validação dos conhecimentos, no quadro da investigação qualitativa (Benner, 1994: xviii ; Blaikie, 2000: 53 ; Binet, Rullac & Pinto, 2022).

Na investigação qualitativa, os saberes produzidos são fundamentalmente descritivos. Quando estes saberes descritivos incidem sobre saberes de ação, são metasaberes, no sentido de saberes sobre saberes. Em que consiste o valor acrescentado de tais metasaberes, perante os saberes sobre os quais incidem ? Será que são meramente redundantes, sem nada acrescentar ao que já se sabia ? Os saberes estudados são saberes incorporados nas ações, largamente ignorados como tais, apesar de serem praticados com mestria (Goode, 1994: 127-8). Formam o que Yves Schwartz não hesita em chamar um « inconsciente ergológico » (Schwartz, 2004: 21). O trabalho investigativo tornado possível pelo nosso dispositivo gera tomadas de consciência e ganhos de reflexividade, que são o motor de um processo de formalização conjunta dos micro-saberes profissionais (Pastré, Mayen & Vergnaud, 2006 ; Leplay, 2009). Esta formalização reveste a forma de descrições que localizam com precisão estes micro-saberes na trama das interações, descrições na terceira pessoa dos micro-comportamentos observáveis de fora nos filmes do corpus e autodescrições na primeira pessoa que dão a conhecer as vivências subjetivas dos profissionais, cognitivas e emocionais, elicitadas com recurso a técnicas de Entrevista de Explicitação psicofenomenológica (Vermersch, 2022 ; Binet & Jondeau, 2023).

A nossa equipa de investigação, o Lab-FEACC, é membro co-fundador da maior rede francesa de investigação em Serviço Social, o GIS Hybrida-IS. Com efeito, a Análise Conversacional etnometodológica (ACE) e a Entrevista de Explicitação fenomenológica (EdE), componentes cruciais do dispositivo co-investigativo mobilizado nos presentes estudos, são reconhecidas por esta rede como duas das abordagens analíticas alinhadas com os dois eixos do seu projeto científico : (1) a análise das profissões-em-actos e dos actos profissionais e (2) o estudo das dinâmicas de profissionalização[4].

Estes metasaberes descritivos constituem, portanto, o remédio mais eficaz contra a invisibilidade das práticas e dos saberes profissionais, sendo esta invisibilidade a principal responsável pela existência de um contexto de ignorância que favorece retratos pobres das instituições, raciocínios enviesados, e subsequentes (re)desenhos danosos das políticas públicas.

Com efeito, Charles Antaki e Ray Wilkinson destacam um importante resultado dos estudos em análise conversacional das interações atípicas : o exercício da fala por pessoas intelectualmente deficientes é fortemente condicionado pelos modos como este exercício é empoderado ou desempoderado pelos seus interlocutores (Antaki & Wilkinson, 2013: 548). Sendo, todas as coisas sendo iguais, a fala uma atividade cooperativa, por meio da qual direitos fundamentais são exercidos, as pessoas intelectualmente deficientes são mais dependentes e vulneráveis perante o modo como os outros cooperam, competentemente ou não, para apoiar as suas falas. A capacidade ou a incapacidade para falar, a competência ou a incompetência conversacional, não são imputáveis apenas e exclusivamente à pessoa categorizada como intelectualmente deficiente, mas, sim, são um output do ajustamento / desajustamento mútuo dos respetivos etnométodos conversacionais dos interlocutores, no aqui e agora de cada uma das suas interações (Rapley, 2004: 48). A inclusão é uma atividade que assenta em competências interacionais (conceitos de inclusão ativa e de clusividade social ; Cf. Wieczorek, 2013), que são trabalhadas e aprimoradas no seio das instituições. O corpus de filmagens coletado ao abrigo deste primeiro estudo permitirá descrever pormenorizadamente estas competências, no próprio curso do seu exercício, numa situação autêntica.

As instituições apontadas como problema e ameaça, por certos promotores de uma “desinstitucionalização concebida e conduzida contra as instituições”, são, à luz dos estudos em análise conversacional das interações atípicas, laboratórios de capacitação micro-experimental dos profissionais, que funcionam também como centros de capacitação dos utentes, no domínio da fala-em-interação, atividade cooperativa de importância crucial para a efetivação dos direitos e a participação na vida social.

Ao descrever os saberes de ação construídos e aprimorados pelos profissionais no seu dia a dia, para apoiar e empoderar a atividade falante dos utentes, o projeto permitirá produzir metasaberes que, numa etapa posterior, poderão alimentar ações de formação (Fillietaz, Morrissette & Vinatier, 2020 ; Williams, 2011: 31 & 127), internas bem como externas, de modo a reforçar as capacidades de inclusão distribuídas dentro da comunidade envolvente. Ao mostrar e demonstrar como a comunicação é possível, os profissionais, empoderados como co-investigadores e, futuramente, como formadores, permitirão a outros atores da comunidade de ganhar competências e de se tornarem agentes de inclusão ativa.

 

A co-investigação como dispositivo de intervenção e de empoderamento dos utentes

A possibilidade de envolver utentes na co-investigação, pela sua participação em entrevistas de autoconfronto, foi acolhida com interesse pela equipa dirigente. O dispositivo de autoconfronto, simples ou cruzado, será redesenhado de modo a se adequar o melhor possível a cada utente convidado para participar.

A enfase dada até agora às competências dos profissionais precisa agora de ser complementada por uma referência à atenção que será igualmente prestada às competências ou saberes-em-ato dos utentes. Os dados coletados e o método da sua análise conjunta adotado neste projeto permitirão, com efeito, descrever, de modo muito detalhado e “articuladamente”[5], os saberes de cada utente incorporados na sua prática da fala, na situação estudada.

Cada projeto de investigação gera oportunidades de participação das pessoas portadoras de deficiência, que é da nossa co-responsabilidade investir e aproveitar, de acordo com o movimento da investigação inclusiva, que se reivindica do lema do Modelo Social da Deficiência : Nada sobre nós sem nós (Charlton, 1998). Apoiar a participação de utentes em atividades investigativas é outro importante campo de aplicação das competências de apoio à atividade falante dos utentes detidas pelas profissionais envolvidas como co-investigadoras. Trata-se de um campo de aplicação é que é também um importante campo de efetivação de direitos (Williams, 2011: 208).

A dinamização filmada de sessões de co-análise por autoconfronto acompanhado com utentes constituirá um segundo quadro interacional, não pertencente ao regular funcionamento da instituição, mas, sim, gerado pelo dispositivo investigativo, no âmbito do qual as competências que constituem o objeto do estudo serão mobilizadas, filmadas e passivas de serem analisadas. A filmagem das sessões de análise conjunta permitirá coletar um segundo corpus, gerado a partir do primeiro corpus e da sua co-análise.

A abertura manifestada pela instituição em participar ativamente neste estudo não se enquadra nos retratos caricaturais propagados pelos discursos pro-desinstitucionalização, visados pelas nossas críticas.

A instituição não duvida da existência, no seu seio, de saberes capacitantes e empoderadores, construídos na ação, ao alcance da metodologia do projeto aqui apresentado. A adesão ao projeto é sinal de autosegurança, que contrasta e constitui, por si só, uma primeira resposta aos discursos dos “desinstitucionalizadores”. A política de portas abertas e de exposição de si e das suas práticas para fins investigativos não é o comportamento organizacional de uma instituição insegura e na defensiva, que tem muito a recear.

Esta abertura é uma evidência do estatuto de « organização aprendente » já alcançado pela instituição envolvida. Com a abordagem desenvolvida por este estudo, a organização não aprende a partir de fontes externas, mas, sim, a partir de uma valorização dos saberes acumulados no seu seio, nas e pelas práticas. Ricas em saberes incorporados, as práticas são (1) a fonte dos metasaberes formalizados no decurso do projeto, e (2) o alvo ou o destino destes metasaberes, por meio de processos de autoformação estimulados, desde o começo, pela participação na investigação (Garcia & Fillietaz, 2020: 124). Estes processos de autoformação e de micro-inovações (Shotter, 2010: 281), alimentados por dinâmicas de interformação geradas pelo dispositivo de co-investigação, são mantidos sob o controlo de cada profissional, respeitado na sua autonomia e soberania : cada posto de trabalho é encarado como um microterritório de soberania profissional que importa respeitar, sendo a agência de cada profissional um importante fator de promoção da inteligência coletiva da organização (Binet & Jondeau, 2022).

Podemos ainda acrescentar que a disponibilidade para adotar a perspetiva da investigação inclusiva, que encara a co-investigação como uma nova atividade proposta aos utentes, que gera para os utentes novas oportunidades de aceder a um lugar de fala empoderador e emancipador, é, indubitavelmente, uma resposta à altura dos ataques superficiais perpetrados pelos pro-desinstitucionalização.

Desenho investigativo do 1º Estudo

  1. Formação da Equipa de co-pilotagem do Projeto ;
  2. Delimitação do universo dos utentes capacitados e possivelmente interessados em participar no estudo ;
  3. Elaboração conjunta de uma apresentação interna do Projeto, acompanhada de um convite para participar e de um Formulário de consentimento(s) informado(s), que menciona explicitamente o direito a não participar, as garantias de proteção do anonimato e dos dados pessoais oferecidas pelo equipamento científico de armazenamento dos dados e pelas práticas de anonimização dos dados comunicados, publicados e/ou difundidos em ações de formação ;
  4. Criação de um Espaço de trabalho virtual na plataforma científica ORTOLANG, para armazenar os dados e facilitar o teletrabalho, num ambiente onde vigoram elevados padrões de proteção[6] ;
  5. Teste do equipamento de filmagem ;
  6. Coleta de um Corpus de 15 Filmes de « Reuniões com membros da equipa dirigente solicitadas por utentes » (Corpus 1) ;
  7. Realização de Sessões (filmadas) de co-análise com cada membro da equipa dirigente participando no estudo (Corpus 2a): Duração de cada Sessão : 2 horas / Número de Sessões por cada membro da equipa : 3 / Número total de Sessões com co-investigadores pertencentes à Equipa dirigente : 9. Ou seja : Tempo consagrado ao trabalho co-analítico por cada co-investigadora : 6 horas / Tempo consagrado ao trabalho co-analítico pelo investigador acompanhante : 18 horas ;
  8. Realização de Sessões (filmadas) de co-investigação com utentes que participaram na coleta do Corpus 1. A filmagem destas Sessões permitirá gerar um novo corpus (Corpus 2b). Estas sessões serão co-dinamizadas pelo investigador acompanhante e por um dos profissionais participando no projeto como co-investigador. A metodologia, a duração e o número de sessões não são pre-definidas, de modo a acautelar o ajustamento dos mesmos a cada utente ;
  9. Trabalho de análise e de valorização dos resultados ;
  10. Sessões de discussão dos resultados (Equipa de co-pilotagem) ;
  11. Discussão e valorização dos resultados no seio da instituição : 1) Dinamização de duas Sessões alargadas de análise conjunta das práticas e dos saberes profissionais ;
  12. Discussão e Valorização dos resultados no seio da instituição : 2) Montagem de uma Exposição em colaboração com os utentes ;
  13. Discussão e valorização dos resultados nos meios profissional e académico : Dinamização de um Encontro nacional co-promovido pela FENACERCI, pelo ISSSL-UL e pelo CLISSIS ;
  14. Discussão e valorização dos resultados no meio profissional : Desenho e teste de uma ação formativa ;
  15. Valorização e difusão dos resultados no meio académico : comunicações, artigos, etc., em regime de co-autoria.

Estudo 2 | Small Talk e capacitação em terapia ocupacional : co-investigação inclusiva e interformação parental

A apresentação do Estudo 2 é aqui facilitada, na medida em que partilha, no essencial, os fundamentos teórico-metodológicos do Estudo 1.

Este segundo estudo incide sobre a interação entre Beatriz Silva, terapeuta ocupacional, e cada um dos utentes que acompanha, que aceitarão o convite para participar no Estudo. Estas interações, enquadradas num projeto chamado « Casa cool », decorrem em outras instalações, localizadas no mesmo bairro do que a instituição. Trata-se de um apartamento organizado de modo a permitir aos utentes o treino de competências, sob a supervisão da terapeuta ocupacional, que os capacitam para uma vida autónoma numa habitação própria : fazer a cama ; cozinhar ; arrumar ; limpar ; etc.

O potencial interesse deste segundo estudo foi sugerido pela equipa dirigente, durante a minha visita de terreno. Segui a sugestão, aceitando realizar uma visita do apartamento, guiada por Beatriz Silva. No final da visita, tivemos uma reunião de trabalho, no decurso da qual o presente estudo foi co-desenhado.

Small talks : a instanciação do Eu como « pessoa », nas e pelas trocas de sociabilidade

Na entrevista supracitada, Beatriz Silva mencionou que cada sessão de trabalho com os utentes inicia por uma conversa informal, em redor da mesa que equipa a sala. As minhas perguntas permitiram apurar que esta conversa informal cabe dentro do conceito de small talk (Coupland, 2014), ou seja, de pequena troca de cortesia e sociabilidade, suscetível de gerar uma conversa centrada em tópicos relacionados com o bem-estar e a vivência subjetiva do utente dentro e fora da instituição. Quer o small talk propriamente dito, quer as sequências conversacionais centradas nos tópicos que acabei de mencionar, constituem interessantes objetos de estudo.

A importância destes small talks na fábrica continua dos laços sociais foi diretamente observável durante a visita de terreno. Este segundo estudo gera, portanto, a oportunidade de abordar e de aprofundar nesta co-investigação os small talks e a sua importância intersubjetiva, na co-construção de ambientes relacionais que fomentam atitudes cooperativas que, por sua vez, facilitem a co-pilotagem das ações conjuntas inerentes ao regular funcionamento da instituição (Ragan, 2014: 269).

Esta conversa à mesa constitui um dos quadros interacionais implementados na instituição, onde ocorrem instanciações do Eu. O Eu, singular e soberano, capaz de ponderar e de tomar decisões em seu próprio nome, autoresponsável perante si próprio e hétero-responsabilizável por outrem e perante outrem (imputável) pelas suas ações e pelo sentido ou pela falta de sentido destas, é uma co-construção interacional, no sentido em que o Eu se manifesta, se estabelece e se fortalece (ou enfraquece) no decurso das interações do sujeito com outrem (Harré, 1998: 5). O meu Eu se manifesta, se constrói e ganha existência, intrasubjetiva e intersubjetiva, ao agir e interagir conversacionalmente com outrem (Shotter, 1993).

A pergunta é então a seguinte : em que medida a instituição forma ou não um meio que facilita e empodera esta co-construção, nas interações e pelas interações, de « pessoas » portadoras de um Eu seguro e soberano, apoiado, incentivado, tratado como tal, com deferência ? A resposta só pode ser dada por meio de descrições finas das interações, vasta agenda investigativa, de que fazem parte ambos os estudos aqui propostos. As respostas dadas a esta pergunta serão muito relevantes para enfrentar as controvérsias induzidas pelos discursos distorcidos sobre a alegada necessidade de uma política de “desinstitucionalização”, para evitar os alegados « efeitos danosos » de uma “institucionalização prolongada” (DeJong, 1979: 441). Com efeito, estes discursos veiculam visões pobres que retratam as instituições como meio que fomenta o tratamento e a co-construção de « não pessoas » (Goffman, 1974: 47). Demonstrar pela via descritiva a existência de quadros interacionais que empoderam os utentes como « pessoas » revela as fragilidades e lacunas destas visões superficiais.

A Terapia ocupacional ao microscópio : micro-macro links

O Projeto « Casa Cool » constitui uma oportunidade de filmar e de co-analisar a terapia-ocupacional-em-atos, e, deste modo, de tornar visível a riqueza e a importância das contribuições da profissão de terapeuta ocupacional no processo de desenvolvimento da pessoa com deficiência.

O fato das CERCIs serem um dos principais empregadores de terapeutas ocupacionais no país não pode ser encarado como algo de óbvio e de secundário. É o projeto da instituição, e, através dele, o projeto da nossa democracia, que ganham corpo na e pela contratação de diversas profissões comprometidas com uma ética profissional, a do cuidar (care) do desenvolvimento e do bem-estar da « pessoa » (Paperman & Laugier, 2011 ; Banks & Gallagher, 2009 ; Bétrémieux, 2013). Existe uma relação de constituição mútua e de co-desenvolvimento entre o nosso macro-regime democrático ético-politicamente constituído e cada micro-ato ― profissional, microético e micropolítico (Worthley, 1997) ― de cuidar, de apoiar e de empoderar cada « pessoa singular » (Camerlynck, 2005: 40-1).

A essa luz, são as políticas de “desinstitucionalização” e de “desprofissionalização” que suscitam questões éticas e políticas.

O foco do estudo se deslocará da mesa para a cozinha, para filmar, esta vez, o trabalho de capacitação levada a cabo pela terapeuta ocupacional, num quadro acional e interacional complexo. A atividade falante acompanha, direciona, guia uma atividade motora, num micro-ambiente dotado de possibilidades de ação e de recursos muito específicos. A descrição detalhada permitirá trazer à luz do dia um trabalho orientado não para a heteronomia e a passividade, mas, ao oposto, para a autonomia, a ativação e a capacitação, acompanhada e apoiada, muito distante dos retratos caricaturais supracitados.

Co-investigação profissional e inclusiva

À semelhança do Estudo anterior, Beatriz Silva será convidada a participar em sessões de co-análise por autoconfronto acompanhado. Utentes serão também convidados a participar.

Remetemos para as páginas anteriores os leitores interessados em saber mais sobre este dispositivo metodológico e o seu alcance.

Instituição e cuidadores informais : uma troca de saberes profissionais e parentais

Os cuidadores informais interessados poderão participar em Sessões de co-visionamento do filme do seu educando envolvido em tarefas culinárias, sob a supervisão da terapeuta ocupacionais. A co-descrição e a co-análise do filme facilitarão a troca e a circulação de saberes profissionais e parentais em matéria de supervisão e de capacitação, de acordo com uma dinâmica de interformação.

O acolhimento muito positivo pela equipa dirigente, desta proposta de intervenção e de valorização formativa do estudo, demonstra abertura e interesse em interligar e articular mundos, o da instituição e o da família, numa aliança de cooperação em prol do desenvolvimento e do bem-estar da pessoa.

Acusar as instituições de fomentar uma separação de mundos, que faria obstáculo à inclusão na comunidade, não resiste ao escrutínio das múltiplas ações que realizam e dos recursos que mobilizam para promover a inclusão na comunidade das pessoas com deficiência.

O facto de que cada instituição se desenvolve como uma micro-comunidade inclusiva, que investe em fortalecer no seu seio os laços de pertença e de inclusão que constituem importantes fatores de proteção e de bem-estar, não é sinal de fecho e de separação, mas, sim, de compromisso ético-político alinhado com intervenções visando a capacitar a comunidade circundante para se tornar, ela própria, mais inclusiva. A capacidade acumulada internamente não é um obstáculo, mas, sim, um recurso para colaborar ativamente na co-construção política de uma macro-comunidade inclusiva. Esta capacidade interna consiste em saberes de ação e de interação, que constituem o principal objeto de ambos os estudos.

Desenho investigativo do 2º Estudo

  1. Delimitação do universo dos utentes capacitados e possivelmente interessados em participar no estudo ;
  2. Elaboração conjunta de uma apresentação do Projeto destinada aos utentes e aos seus cuidadores informais (nos casos em que se aplica), acompanhada de um convite para participar e de um Formulário de consentimento(s) informado(s), que menciona explicitamente o direito a não participar, as garantias de proteção do anonimato e dos dados pessoais oferecidas pelo equipamento científico de armazenamento dos dados e pelas práticas de anonimização dos dados comunicados, publicados e/ou difundidos em ações de formação ;
  3. Criação de um Espaço de trabalho virtual na plataforma científica ORTOLANG, para armazenar os dados e facilitar o teletrabalho, num ambiente onde vigoram elevados padrões de proteção[6] ;
  4. Teste do equipamento de filmagem ;
  5. Coleta de um Corpus de 10 Filmes de « Sessões de terapia ocupacional enquadradas no Projeto Casa Cool » (Corpus 2.1) ;
  6. Realização de Sessões (filmadas) de co-análise com Beatriz Silva, terapeuta ocupacional, participando no estudo (Corpus 2.2a): Duração de cada Sessão : 2 horas / Número de Sessões : a negociar ;
  7. Realização de Sessões (filmadas) de co-investigação com utentes que participaram na coleta do Corpus 1. A filmagem destas Sessões permitirá gerar um novo corpus (Corpus 2.2b). Estas sessões serão co-dinamizadas pelo investigador acompanhante e pela terapeuta ocupacional participando no projeto como co-investigadora. A metodologia, a duração e o número de sessões não são pre-definidas, de modo a acautelar o ajustamento dos mesmos a cada utente ;
  8. Realização de Sessões (filmadas) de co-investigação com cuidadores informais cujos educandos participaram na coleta do Corpus 1. A filmagem destas Sessões permitirá gerar um novo corpus (Corpus 2.2c). Estas sessões serão co-dinamizadas pelo investigador acompanhante e pela terapeuta ocupacional participando no projeto como co-investigadora. O número de sessões será definido em concertação com os cuidadores informais interessados em participar ;
  9. Trabalho de análise e de valorização dos resultados ;
  10. Sessões de discussão dos resultados (Equipa de co-pilotagem) ;
  11. Discussão e valorização dos resultados no seio da instituição : 1) Dinamização de duas Sessões alargadas de análise conjunta das práticas e dos saberes profissionais ;
  12. Discussão e Valorização dos resultados no seio da instituição : 2) Montagem de uma Exposição em colaboração com os utentes ;
  13. Valorização dos resultados no meio profissional : Dinamização de uma sessão de apresentação e de discussão do estudo junto da Associação Portuguesa de Terapeutas Ocupacionais (APTO) ;
  14. Valorização dos resultados no meio profissional : Desenho e teste de uma ação formativa, em articulação, se houver interesse, com a APTO ;
  15. Discussão e valorização dos resultados nos meios profissional e académico : Dinamização de um Encontro nacional co-promovido pela FENACERCI, pelo ISSSL-UL e pelo CLISSIS ;
  16. Valorização e difusão dos resultados no meio académico : comunicações, artigos, etc., em regime de co-autoria.

Michel Binet
Abril de 2023


NOTAS

[1] “Reuniões” entre aspas, na medida em que se mantém em aberto a escolha da categoria lexical mais adequada para descrever e se referir ao quadro interacional estudado.

[2] O questionário é um método de estudo de alcance limitado, do ponto de vista do objetivo principal do presente estudo : tornar visível e valorizar micro-saberes que tendem em permanecer invisíveis, por se encontrar fora do alcance dos métodos mais usados.

[3] Jean Piaget defende que «(…) a ação constitui, por si só, um saber autónomo (…) que tem uma eficácia notável (…)», fonte de todos os outros tipos de saber (Piaget, 1981: 268). O alcance desta posição, que coloca a pragmática, ciência da ação, e a análise das práticas e das atividades (Barbier & Durand, 2017), no centro das ciências sociais e humanas, é sublinhado e desenvolvido por Pierre Vermersch (2019: 60).

[4] Para saber mais, sobre o GIS Hybrida-IS, visitar o mapeamento da rede : http://u.osmfr.org/m/834955/

[5] As competências interacionais de dois interlocutores são finamente articuladas umas às outras na trama de cada uma das suas interações. A análise descritiva aborda, portanto, necessariamente, ambas, de modo igualmente articulado.

[6] Para saber mais : https://geacc.hypotheses.org/2661


BIBLIOGRAFIA

ANTAKI, Charles; WILKINSON, Ray – Conversation Analysis and the Study of Atypical Populations. In SIDNELL, JACK; STIVERS, TANYA (Eds.) – The Handbook of Conversation Analysis. Malden / Oxford : Wiley-Blackwell, 2013. p. 533–550.

BANKS, Sarah; GALLAGHER, Ann – Ethics in the Professional Life : Virtues for Health and Social Care. Basingstoke / New York : Palgrave Macmillan, 2009

BARBIER, Jean-Marie; DURAND, Marc (EDS.) – Encyclopédie d’analyse des activités. Paris : PUF, 2017

BENNER, Patricia – Introduction. In BENNER, PATRICIA (Ed.) – Interpretive Phenomenology : Embodiment, Caring, and Ethics in Health and Illness. Thousand Oaks / London : SAGE, 1994. p. xiii–xxvii.

BÉTRÉMIEUX, Pierre – Répondre de la vulnérabilité humaine : la responsabilité pour autrui, le souci de l’autre. Paris : Université Paris-Sorbonne, 2013 Thèse de Doctorat en Philosophie.

BINET, Michel; JONDEAU, Claire – Explicitation, auto-confrontation et analyse conversationnelle  : Un dispositif de co-recherche praticienne en Économie sociale familiale. Expliciter. 136 (2023) 36–45.

BINET, Michel; JONDEAU, Claire; en collaboration avec BALP, Laurie; BRÉANT, Célia; ROUYER-FESSARD, Adeline; SAURY, Nathalie – Apprendre à partir et sous le contrôle de ses propres pratiques en inter-formation continue par co-analyse de l’activité de Conseil en Économie Sociale Familiale : Fécondité du croisement de l’Analyse Conversationnelle et de l’Entretien d’Explicitation en autoconfrontation accompagnée. In LECHAUX, PATRICK (Ed.) – Les défis de la formation des travailleurs sociaux au prisme des mutations du social : Entre universités et écoles professionnelles. Nîmes : Champ social, 2022. pp.353–402.

BINET, Michel; RULLAC, Stéphane; PINTO, Tânia – La co-enquête microethnographique : Un moteur de la scientifisation du travail social. Intervenção Social. 55/56 (2020) (2022) 167–200. doi:https://doi.org/10.34628/4x2d-mb14.

BLAIKIE, Norman – Designing Social Research. Cambridge : Polity Press, 2000

CAMERLYNCK, Eric – L’éthique des petits actes. Paris : L’Harmattan, 2005

CHARLTON, James I. – Nothing About Us Without Us: Disability Oppression and Empowerment. Berkeley / Los Angeles / London : University of California Press, 1998

COUPLAND, Justine (ED.) – Small Talk. 2. ed. London / New York : Routledge, 2014

DEJONG, Gerben – Independent Living : From Social Movement to Analytic Paradigm. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation. 60 (1979) 435–446.

FILLIETTAZ, Laurent; MORRISSETTE, Joëlle; VINATIER, Isabelle – Introduction. De l’observation à l’intervention : les usages de l’analyse interactionnelle en formation. Phronesis. 9:2 (2020) 1–9.

GARCIA, Stéphanie; FILLIETTAZ, Laurent – Compétences interactionnelles et relations des éducatrices-teurs de l’enfance avec les parents : la formation comme ressource pour la recherche. Phronesis. 9:2 (2020) 123–138.

GOFFMAN, Erving – Manicômios, prisões e conventos (1961). São Paulo : Perspectiva, 1974

GOODE, David – A World Without Words : The Social Construction of Children Born Deaf and Blind. Philadelphia : Temple University Press, 1994

HARRÉ, Rom – The Singular Self : An Introduction to the Psychology of Personhood. London / Thousand Oaks / New Delhi : SAGE, 1998

LEPLAY, Éliane – La formalisation et la validation de « savoirs professionnels »: Expression d’une culture professionnelle en travail social. Paris : Conservatoire National des Arts et Métiers (CNAM), 2009 Thèse de Doctorat en Sciences de l’Éducation (dir. Jean-Marie Barbier).

PAPERMAN, Patricia; LAUGIER, Sandra (EDS.) – Le souci des autres : Éthique et politique du care. Nouvelle édition augmentée ed. Paris : École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), 2011

PASTRÉ, Pierre; MAYEN, Patrick; VERGNAUD, Gérard – La didactique professionnelle. Revue française de pédagogie. 154 (2006) 145–198.

PIAGET, Jean – Conclusiones generales. In PIAGET, JEAN (Ed.) – La toma de conciencia (1974). 2. ed. Madrid : Morata, 1981. p. 254–274.

PITHOUSE, Andrew – Social Work: The Social Organisation of an Invisible Trade. Aldershot : Avebury, 1987

RAGAN, Sandra L. – Sociable talk in women’s health care contexts : two forms of non-medical talk. In COUPLAND, JUSTINE (Ed.) – Small Talk. 2. ed. London / New York : Routledge, 2014. p. 269–287.

RAPLEY, Mark – The Social Construction of Intellectual Disability. Cambridge : Cambridge University Press, 2004

ROSQVIST, Hanna Bertilsdotter; CHOWN, Nick; STENNING, Anna (EDS.) – Neurodiversity Studies : A New Critical Paradigm. London / New York : Routledge, 2020

SCHWARTZ, Yves – L’expérience est-elle formatrice ? Éducation Permanente. 158 (2004) 11–23.

SHOTTER, John – Situated Dialogic Action Research : Disclosing ‘‘Beginnings’’ for Innovative Change in Organizations. Organizational Research Methods. 13:2 (2010) 268–285.

SHOTTER, John – Conversational Realities : Constructing Life through Language. London / Thousand Oaks / New Delhi : SAGE, 1993

THEUREAU, Jacques – Les entretiens d’autoconfrontation et de remise en situation par les traces matérielles et le programme de recherche « cours d’action ». Revue d’Anthropologie des Connaissances. 4:2 (2010) 287–322.

VERMERSCH, Pierre – A Entrevista de Explicitação (1994). São Paulo : Fundação Carlos Chagas, 2022

VERMERSCH, Pierre – L’entretien d’explicitation (1994). 9. ed. Paris : ESF, 2019

WIECZOREK, Anna Ewa – Clusivity : A New Approach to Association and Dissociation in Political Discourse. Newcastle upon Tyne : Cambridge Scholars Publishing, 2013

WILKINSON, Ray; RAE, John P.; RASMUSSEN, Gitte (EDS.) – Atypical Interaction : The Impact of Communicative Impairments within Everyday Talk. Ebook Pagination ed. Cham : Palgrave Macmillan, 2020

WILLIAMS, Val – Disability and Discourse: Analysing Inclusive Conversation with People with Intellectual Disabilities. Chichester / Oxford / Malden : Wiley-Blackwell, 2011

WORTHLEY, John Abbott – The Ethics of the Ordinary in Healthcare: Concepts and Cases. Chicago : Health Administration Press, 1997


Para saber mais sobre a abordagem crítica das políticas de « desinstitucionalização » : Clicar aqui


Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-UL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Coord. do Lab•FEACC - Chercheur Associé ADAC - Consultant - Formateur - Traducteur (portugais-français) - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Laboratório de FENOMENOLOGIA, ETNOMETODOLOGIA e ANÁLISE CONVERSACIONAL da CLUSIVIDADE SOCIAL

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search