Todos os artigos de Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

A Entrevista de Explicitação (Vermersch) : Oficinas com Claire Jondeau, em Missão de Investigação doutoral no seio do GEACC (Lisboa, 08/05/2018 – Portalegre, 11/05/2018)

Oficinas de sensibilização (filmadas)

« A Metodologia da Entrevista de Explicitação (Vermersch) : Uma técnica de coleta de dados » 

Seguida de uma

Data Session | Sessão de co-Análise Conversacional da Relação de Inquirição (ACRI) na Entrevista de Explicitação

___

Claire Jondeau

Claire JONDEAU

Interventora Social – Formadora – Investigadora em Serviço Social

Doutoranda em Ciências da Educação na Université de Rouen (France)

Membro do GIS Hybrida-IS | Link



Objetivo

Praticar e refletir em grupo uma abordagem fenomenológica da entrevista na investigação em Serviço Social (Recherche praticienne en Travail social)

A Entrevista de Explicitação (Vermersch, 1994; 2012) promove a descrição pelo próprio sujeito da vivência da sua atividade numa situação singular passada, parte integrante da sua experiência. Trata-se de uma ferramenta ou técnica de coleta de dados que pode ser mobilizada com três intenções distintas :

  • A coleta de informações para fins investigativos (obter informações sobre a vivência e o modo de operar do outro) ;
  • Ajudar o outro a consciencializar os seus saberes de ação (Validação das Aquisições e Aprendizagens experienciais) : promover a auto-observação e auto-análise das suas práticas ;
  • Formar à adoção de uma postura reflexiva.

É principalmente na perspetiva da Investigação em Serviço Social, com vista a obter informações sobre as atividades de outrem, que proponho conduzir estas Oficinas de sensibilização para esta técnica. Esta sensibilização sucinta à metodologia da Entrevista de Explicitação proporcionará um tempo de trabalho cruzando contributos teóricos e experiências profissionais.

Proponho portanto precisar brevemente algumas definições dos termos usados nesta abordagem, expor os principais princípios e as condições requeridas para facilitar o acesso aos implícitos da ação e realizar a « demonstração de uma entrevista » com um voluntário que será convidado a « explicitar », no sentido de Pierre Vermersch, uma pratica profissional que aceita partilhar no seio do grupo. Por sua vez, o grupo terá instruções de observação que potenciarão, num terceiro momento, uma troca sobre esta ferramenta/técnica específica de coleta de dados.

Claire Jondeau, Maio 2018

(Tradutor : Michel Binet)


Datas e locais das Oficinas

1ª Oficina

Universidade Lusíada de Lisboa

Instituto Superior de Serviço Social da Universidade Lusíada de Lisboa

Rua da Junqueira, 188-198, 1349-001 Lisboa

3ª, 8 Maio 2018 | ISSSL-ULL, 14h30-17h30, (Org. Michel Binet & Isabel de Sousa)

Sala 15P (Instalações ditas do Ar Liquido, Rua Quinta do Almargem 14B, a 5 minutos de distância a pé da Rua Junqueira)

___

2ª Oficina

ESECS-IPP

Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre

Praça da República, 23-25, 7300-109 Portalegre

6ª, 11 Mai 2018 | ESECS-IPP, 14h-18h , Sala 7 (Org. Michel Binet & Cristina Coelho)


Programa das Oficinas (3 horas)

1-A Entrevista de Explicitação : Apresentação da Abordagem (Claire Jondeau)

2-Demonstração de uma Entrevista de Explicitação (Claire Jondeau e o Grupo de participantes)

  • Lisboa | Tânia Pinto (GEACC), Assistente Social em meio hospitalar, Mestranda em Serviço Social (ISSSL-ULL), será entrevistada por Claire Jondeau

3-Sessão de co-Análise Conversacional (GEACC)

Nota | Um serviço de tradução Francês-Português ser assegurado por Michel Binet (Coord. GEACC).

__________________________________

Inscrições

Oficina de Entrevista de Explicitação | Número limitado de participantes : 12

Perfil do/as participantes | Assistentes sociais (e outros interventores sociais)

Condição | Autorizar a filmagem da Oficina para fins investigativos

Inscrição (gratuita) por email | Contactos dos Organizadores : Michel Binet, Lisboa e Portalegre ( michel.binet@ipportalegre.pt ) – Isabel de Sousa, Lisboa ( isabel.sousa@edu.ulusiada.pt ) – Cristina Coelho, Portalegre ( cristina.coelho@esep.pt )


Bibliografia / Fontes

Vermersch, P. (1994) L’entretien d’explicitation en formation initiale et en formation continue. Paris: ESF.

Vermersch, P. (2012) Explicitation et phénoménologie. Paris: PUF.

Website do Groupe de Recherche sur l’EXplicitation (GREX) | Link


 

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Glossário de Microética (Binet, 2018)

Glossário de Microética na Plataforma Zotero

Work-in-progress, que já alcançou um certo limiar de maturação, com mais de 100 Entradas lexicais, este Glossário de Microética, acessível online na Plataforma Zotero, inicialmente elaborado no âmbito do trabalho docente realizado no Ano Letivo 2017-18 com alunos do curso de Licenciatura em Serviço Social da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre (ESECS-IPP), na Unidade Curricular de « Ética e Deontologia do Serviço Social » (2º Ano curricular), é também fruto do trabalho docente realizado com os alunos do curso de Licenciatura em Serviço Social do Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa da Universidade Lusíada de Lisboa (ISSSL-ULL), na Unidade Curricular de « Estruturas e Interação social » (2º Ano curricular). Com efeito, é no âmbito desta UC do ISSSL-ULL que comecei a introduzir a Análise Conversacional etnometodológica (ACE) na formação inicial de Assistentes sociais, a partir sobretudo do Ano Letivo 2014-15.

Considero hoje, com base na experiência docente que acumulei em Lisboa e Portalegre, que o conceito de « Microética » localiza e abre uma das melhores portas para introduzir a ACE na formação inicial de Assistentes Sociais, de modo a tecer uma ligação reforçada entre o ensino e o trabalho de investigação em Serviço Social desenvolvido pelo GEACC, Grupo de Investigação do CLISSIS.

Michel Binet

Acesso online ao Glossário de Microética (Zotero) | Link

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

ASA – Call of the EMCA Section | To increase the membership level !

http://www.asanet.org/asa-communities/sections/ethnomethodology-and-conversation-analysis

Unfortunately, we have bad news to report as well. We attended a meeting held with American Sociology Association (ASA) administrative staff during the 2017 annual meeting in Montreal. ASA staff summarized their developing problems with many small sections. Supporting sections that have dropped below the minimal membership level are becoming costly for ASA at a time when they need to downsize their administrative staff (they assist with the annual elections, allocation of section sessions, issuing requested checks, solving problems with navigating the ASA online labyrinth, etc.). They reported that this burden has overflowed their capacity. Their solution is simple: increase the membership levels back to the required minimum, and then sufficient staff can be hired. ASA Council has initiated an objective process for placing smaller sections on probationary status, based strictly upon criteria that involve membership levels and indices of section vitality. While we are in compliance with all of the many indices of vitality, we have failed to maintain a membership level that satisfies their two membership algorithms. While at 119 members at the end of 2017, we avoided the ignominy of falling below 100 (at annual meeting time we were at 105), we are required to (a) maintain membership at 150 and (b) avoid falling below 200 members three years out of five. Since meeting the 150-member requirement in 2013, our numbers have more or less been diminishing steadily.
We composed a Response to ASA, which Council will consider at their February meeting. We believe that in the short run we can avoid being placed on probation or decommissioned as a section, but a durable solution is required for the long run. Accordingly, we have organized a Membership Committee, under the leadership of Anne Rawls, but networking when our numbers are so low and our reach so international presents us with serious challenges that we have yet to solve.

Ken Liberman & Aug Nishizaka


The due: 50 USD for ASA plus 10 USD for the EMCA section.

ASAhttp://www.asanet.org/membership 

EMCAhttp://www.asanet.org/asa-communities/sections/ethnomethodology-and-conversation-analysis 


« We have been suffering from the decrease of the number of officially registered members. I would very much appreciate your considering being a member of the SECTION (not only of ASA) » (Aug Nishizaka).


Ken Liberman et Aug Nishizaka, qui dirigent actuellement la Section d’EthnoMethodology and Conversation Analysis (EMCA), ont lancé un Appel à la solidarité pour soutenir le maintien de la Section au sein de l’American Sociology Association (ASA), qui se voit menacée par une politique de l’actuelle direction de l’ASA, de suspension des Sections de petite dimension (en termes de nombre de membres).
Cette situation est jugée grave par la communauté internationale des chercheurs en Analyse Conversationnelle ethnométhodologique, qui reconnait le rôle historique de la Section EMCA de l’ASA. Aujourd’hui fortement interdisciplinaire et internationale, l’Analyse Conversationnelle ethnométhodologique est historiquement issue du champ disciplinaire de la sociologie américaine. Cet épisode illustre bien combien une petite Section peut-être un acteur majeur d’une vaste communauté de recherche, riche de milliers de membres.
Le geste solidaire consiste à s’affilier à l’ASA (50USD) puis à la Section EMCA (10USD).
Michel Binet

«The field of Conversation Analysis (CA) began with just three people, Emanuel Schegloff, Harvey Sacks and Gail Jefferson. It grew, as many new enterprises do, out of a dissatisfaction with the methodologies and theories of the time, as they pertained to everyday social behavior. Forty years later, CA is the dominant approach to the study of human social interaction across the disciplines of Sociology, Linguistics and Communication. The most recent international conference on Conversation Analysis (ICCA – 2010) boasted more than 600 attendees. CA publications are estimated to be over 5,000 in number and growing rapidly. In short, CA in the 21st century represents a rich and vibrant community of international scholars working across a wide range of languages, institutional and ordinary contexts, and disciplinary boundaries» (Sidnell & Stivers, 2013: 1).

Sidnell, J. & Stivers, T. eds., 2013. Introduction. In The Handbook of Conversation Analysis. Malden / Oxford: Wiley-Blackwell, pp. 1–8.

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

II Encontro de Análise da Conversa Etnometodológica (II EnACE) | 19-20 Novembro 2018, Rio de Janeiro

19 e 20 de novembro de 2018

Rio de Janeiro

Campus Gávea da PUC-Rio


GRUPOS DE PESQUISA organizadores do II EnACE

_____

Discurso, Interação e Práticas Profissionais (DIPP)

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

&

Interação em Contextos Institucionais (ICI)

Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)


Submissão de Trabalhos

Haverá dois tipos de sessões das quais os pesquisadores interessados poderão participar: sessão temática de apresentação de trabalhos e sessão de análise conjunta de dados. Cada pesquisador poderá realizar até 2 submissões como autor principal, uma para cada tipo de sessão.

Caso o pesquisador realize submissões nos dois tipos de sessão, pedimos que seja enviado um e-mail para a organização (organizaçãoenace@gmail.com), indicando a escolha de sua preferência, caso, por questões logísticas, a comissão organizadora tenha que optar por apenas uma submissão de trabalho sua. Lembramos que os participantes das sessões de análise conjunta de dados receberão certificados com o mesmo valor de apresentação de trabalho.

Para saber mais | Link

 

 

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Relatório de Missão no GEACC de Carla Mirelle Matos Lisboa (PUC-Rio)

RELATÓRIO

Eu, Carla Mirelle de Oliveira Matos Lisboa, linguista, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), com o apoio de uma bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), sob a orientação da Professora Dra. Maria do Carmo Leite de Oliveira, fiz parte do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE), de agosto 2017 a fevereiro 2018, sob orientação do Professor Dr. Michel G. J. Binet, no seio do Grupo de Etnometodologia e Análise Conversacional da Clusividade social (GEACC), Grupo de Investigação do Centro Lusíada de Investigação em Serviço Social e Intervenção Social (CLISSIS) do Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa da Universidade Lusíada de Lisboa (ISSSL-ULL).
Em agosto de 2017, fui recebida pelo Professor Dr. Michel Binet e realizamos uma reunião com os membros do GEACC na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre (ESECS-IPP). Nessa primeira reunião, nos apresentamos e compartilhamos expectativas e planos, os quais foram executados e serão descritos a seguir, ao longo do período que estive em Lisboa. A recepção foi muito calorosa e ao ouvir a agenda de investigação de cada membro(a) do Grupo, pude constatar que estava no local certo para receber contribuições para a minha tese de doutorado e para minha formação acadêmica como um todo.
Foram realizados, nestes sete meses, reuniões semanais ou bisemanais com o Professor Dr. Michel Binet, em que tivemos várias sessões de análise conjunta de dados da minha pesquisa. Nessas sessões, houve um intenso trabalho de aperfeiçoamento das minhas competências de transcrição da fala-em-interação e de análise conversacional etnometodológica sobre e em Serviço Social, nas quais foram apresentados vários conceitos e teorias do Serviço Social, que muito contribuem para minha formação e que, com certeza, estarão na tese. Durante este período, tive a minha disposição o uso do gabinete do GEACC na Universidade Lusíada de Lisboa.
Além disso, tivemos sessões conjuntas de análise dos dados com colegas do GEACC, os quais além de serem analistas da Conversa possuem formação de base em áreas diferentes (serviço social, linguística, antropologia e comunicação), o que torna o debate e análise ainda mais ricos.
Uma vez que, além de investigadora sou também interventora social na Organização Não Governamental (ONG) Turma da Sopa de Niterói (TSN), o contato com o GEACC e com o aprendizado proporcionado neste período foi de suma importância para minha atuação como interventora social.
É válido destacar que o GEACC possui membros muito generosos, disposto a co-construir conhecimentos e compartilhar materiais e informações que sejam de interesse coletivo. Inclusive, através da Professora Dra. Isabel de Sousa, membra do GEACC, tive contato com a Comunidade Vida e Paz, ONG semelhante à TSN, mas com uma estrutura muito maior e mais consolidada, pois tem muitos anos de existência e trabalho social junto as pessoas em situação de rua (em condição de sem-abrigo). Através deste contato, tornei-me voluntária desde setembro de 2017 até fevereiro de 2018 e acompanhei/participei do trabalho nas ruas de várias equipes. Foi possível também acompanhar a equipe técnica, responsável pela abordagem social. Diante desta oportunidade e da sugestão do Professor Dr. Michel Binet fiz a solicitação para ser investigadora naquele espaço e gerar um pequeno corpus, que proporcionará uma análise complementar aos meus dados com a perspectiva do contexto das pessoas em situação de rua em Portugal.
Tivemos, também dois encontros do Seminário interdisciplinar de Pragmática e Análise dos Atos profissionais, na Universidade Lusíada de Lisboa, promovido por iniciativa do GEACC, um desses encontros contou com a participação da minha orientadora do Brasil, Professora Dra. Maria do Carmo Leite de Oliveira (PUC-Rio) e outro com a presença de Patrick Lechaux, membro da direção do GIS Hybrida-IS, o mais importante agrupamento francês de escolas e universidades envolvidas no desenvolcimento da investigação em Serviço Social, que participou de uma sessão de co-análise de um dos dados da minha pesquisa e ficou impressionado com o alcance de uma análise da conversa etnometodológica. Destaco que participação de minha orientadora foi muito importante para conseguirmos estreitar laços entre os Grupos Discurso, Interação e Práticas Profissionais (DIPP), nosso grupo na PUC-Rio, e o GEACC, pois ambos possuem uma agenda de investigação e interesses de pesquisa muito alinhados.
Também tive oportunidade de ministrar, juntamente com o Professor Dr. Michel Binet, aulas em cursos de Mestrado, Doutorado e Licenciatura em Serviço Social, respectivamente, na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (FPCSUC), na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre (ESECS-IPP) e no Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa da Universidade Lusíada de Lisboa (ISSSL-ULL).
É válido dizer também que fui convidada para permanecer como investigadora colaboradora do GEACC, convite aceito com muito gosto. Diante das ricas contribuições e das relações estabelecidas, o Professor Dr. Michel Binet também foi convidado para ser coorientador da minha tese de doutorado e aceitou o desafio proposto.
Diante do exposto, certa de que a parceria entre DIPP e GEACC tendem a se fortalecer cada vez mais, ficam os meus agradecimentos à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); ao Professor Dr. Michel G. J. Binet, à Professora Dra. Maria do Carmo L. de Oliveira; ao Grupo de Etnometodologia e Análise Conversacional da Clusividade social (GEACC); ao Centro Lusíada de Investigação em Serviço Social e Intervenção Social (CLISSIS); a Comunidade Vida e Paz e a Turma da Sopa de Niterói, que muito contribuiram, cada um(a) ao seu modo, para que o meu estágio doutoral no PDSE fosse bem sucedido e houvesse um aperfeiçoamento da minha tese de doutorado e de minha formação acadêmica.

Carla Mirelle Matos Lisboa
26 de Março de 2018

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Relatório de Missão no GEACC (Victor Braga, Março 2018)

Relatório de Missão

No início do doutoramento, tive a oportunidade de participar como aluno no CIV – Curso Livre de Análise das Interações Verbais. Neste curso – ministrado pelos professores Adriano Duarte Rodrigues  e Michel Binet (que vieram a se tornar os orientadores de minha tese) – estabeleci contato pela primeira vez com a Etnometodologia e a Análise Conversacional. O contato com esse campo de saber foi um dos acontecimentos fundamentais em meu percurso acadêmico. Percebendo a Etnometodologia e a Análise da Conversa como campos de conhecimento incontornáveis para o  campo da Comunicação Social, decidi redirecionar meus interesses de pesquisa de modo a convergirem com a agenda etnometodológica.
Foi com essa motivação que me juntei ao GEACC, onde fui gentil e generosamente recebido pelo seu coordenador, o professor Michel Binet. No seio desse grupo, pude desenvolver as principais habilidades que tenho hoje como pesquisador etnometodólogo e analista da conversa. Embora minha pesquisa atual não esteja relacionada com o Serviço Social, a questão da Clusividade Social, desenvolvida de modo pioneiro pelo GEACC, me estimula a permanecer em constante contato com esse grupo – além é claro, de o GEACC ser uma referência internacional no campo da Análise Conversacional (campo que, por si só, apresenta enorme abertura à interdisciplinaridade).
Estando no momento já de retorno ao Brasil – onde reassumi meu cargo de professor efetivo no Departamento de Comunicação Social da UFPB, trouxe comigo o profundo desejo e interesse de manter um forte vínculo bi-nacional com o GEACC. Além da condição de investigador colaborador desse grupo, meus esforços a partir de agora se darão no sentido de construir projetos conjuntos entre a UFPB e o GEACC e na busca de financiamento junto à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) para a realização de projetos de pesquisa bi-nacionais.

Victor Braga, Março 2018

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Carla Mirelle Matos Lisboa (PUC-Rio) | Duas Aulas abertas para finalizar uma Missão de sete meses no GEACC

AULAS ABERTAS

Carla Mirelle Matos Lisboa & Michel Gustave Joseph Binet

Linguista, Carla Mirelle Matos Lisboa, que elabora uma tese de doutoramento em Estudos da Linguagem na PUC-Rio, sob a orientação da Profª. Doutora Maria do Carmo Leite de Oliveira, realizou, com o apoio de uma bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior  (CAPES) de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE),  uma Missão de sete meses no seio do Grupo de Etnometodologia e Análise Conversacional da Clusividade social (GEACC), Grupo de Investigação do CLISSIS, Centro Lusíada de Investigação em Serviço Social e Intervenção Social.

Esta Missão, realizada sob a orientação do Prof. Doutor Michel Binet, permitiu à Carla Mirelle Matos Lisboa consolidar a sua formação em Análise da Conversação etnometodológica e aprofundar, em sede de sessões semanais de co-análise de dados do seu corpus de gravações de intervenções sociais junto de pessoas em situação de rua no Rio de Janeiro, as relações que unem a Linguística interacional e o Serviço Social, relações interdisciplinares que estão no cerne do projeto científico do GEACC.

Para assinalar o fim desta Missão, no decurso da qual Carla Mirelle Matos Lisboa colectou nas ruas de Lisboa um segundo corpus de gravações de intervenções sociais, que possibilitará uma análise complementar do modus operandi das intervenções e dos saberes de ação de profissionais brasileiros e portugueses, foram programadas duas Aulas abertas da investigadora Carla Mirelle Matos Lisboa, ministradas em colaboração com Michel Binet, nos dias 5 e 7 de Março de 2018, em Portalegre e em Lisboa, respectivamente.

Estas duas Aulas abertas proporcionam às comunidades académicas e profissionais a oportunidade de contactar com uma investigação doutoral assente na Análise Conversacional etnometodológica e de apreender o alcance científico da introdução desta abordagem na investigação em Serviço Social e a sua relevância dos pontos de vista da formação em Serviço Social e da própria prática profissional.

Michel G. J. Binet – Carla Mirelle Matos Lisboa

 



2ª-feira, dia 5 de Março de 2018

13h30-16h30, no Auditório

Estabelecimento de Ensino Superior | Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre (ESECS-IPP)

Curso | Licenciatura em Serviço Social

UC | Ética e Deontologia do Serviço Social (2º Ano)

Docentes | Profª. Doutora Elizabete Mendes & Prof. Doutor Michel Binet


AULA ABERTA

1 | A intervenção social de rua ao microscópio : análise conversacional etnometodológica (Carla Mirelle Matos Lisboa)

2 | A Ética da intervenção social ao microscópio : introdução do conceito de Microética (Michel Gustave Joseph Binet)


Morada da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre (ESECS-IPP) | Praça da República, 23-25, 7300-109 Portalegre



Universidade Lusíada de Lisboa

4ª-feira, dia 7 de Março de 2018

16h-17h, Sala 3E

ISSSL

Estabelecimento de Ensino Superior | Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa da Universidade Lusíada de Lisboa (ISSSL-ULL)

Curso | Licenciatura em Serviço Social

UC | Estruturas e Interação social (2º Ano)

Docente | Prof. Doutor Michel Binet

 


AULA ABERTA

Por que gravar intervenções sociais ? Contribuições da Análise Conversacional etnometodológica para a prática profissional (Carla Mirelle Matos Lisboa)


Morada do Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa da Universidade Lusíada de Lisboa (ISSSL-ULL) | Rua da Junqueira, 188-198, 1349-001 Lisboa [Mapa]


Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Rapport de Mission au sein du GEACC | Note de réflexion (Patrick Lechaux, Chef de Projet du GIS Hybrida-IS)

Patrick Lechaux

Lors d’un séjour à Lisbonne, Patrick Lechaux a été invité par Michel Binet à participer à une session de co-analyse de données conversationnelles (Data Session). La session, organisée le 22 décembre 2017, dans le cadre de son équipe de recherche, le GEACC, regroupait 5 participants dont la diversité des profils a, rapporte Patrick Lechaux, «contribué à l’extraordinaire richesse de cette expérience» (Patrick Lechaux, Note de réflexion).


Lire l’intégralité de la Note de réflexion | Lien

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Seminário Interdisciplinar de « Pragmática e Análises dos atos profissionais », 4ª-feira, dia 20 de Dezembro, 14h-18h | Chercheur invité : Patrick Lechaux (GIS Hybrida-IS)

Seminário Interdisciplinar

de

Pragmática e Análises dos atos profissionais

Coord.

Alexandre Martins, Doutor em Sociologia || CICS.NOVA | ESECS-IPP

Helena Valentim, Doutora em Linguística || CLUNL | FCSH-UNL

Michel Binet, Doutor em Antropologia & Investigador em Serviço Social || CLISSIS | ESECS-IPP | ISSSL-ULL


Encontro

com

Patrick Lechaux

Patrick Lechaux

Philosophe et sociologue de formation (Universités Paris X Nanterre et Paris Descartes).

Agrégé de philosophie.

Chercheur en sciences de l’éducation, Escol, Paris 8

Initiateur du GIS Hybrida-IS avec Richard Wittorski et Chef de projet du GIS Hybrida-IS.

Membre du comité de rédaction de la revue Forum. Vice-Président de l’Affuts, association pour le développement de la recherche en travail social.


Data | 4ª-feira, dia 20 de Dezembro de 2017, das 14h às 18h

Local | Universidade Lusíada de Lisboa, Sala 4E , Rua Junqueira, 188-198, 1349-001 Lisboa

Entrada livre

(Tradução sucessiva)

 



PROGRAMA do ENCONTRO


6ª-feira, dia 22 de Dezembro, das 14h às 17h | Sessão de Análise de dados conversacionais (Data Session) do GEACC, com a participação de Patrick Lechaux.
Abertura dos trabalhos : Carla Mirelle Matos Lisboa, Uma investigação doutoral em curso: Linguística aplicada e Serviço Social.
Data Session, 22-12-2017: Tânia Pinto – Michel Binet – Isabel de Sousa – Patrick Lechaux – Carla Mirelle Lisboa

Rapport de Mission, publié par Patrick Lechaux

Lors d’un séjour à Lisbonne, Patrick Lechaux a été invité par Michel Binet à participer à une session de co-analyse de données conversationnelles (Data Session). La session, organisée le 22 décembre 2017, dans le cadre de son équipe de recherche, le GEACC, regroupait 5 participants dont la diversité des profils a, rapporte Patrick Lechaux, «contribué à l’extraordinaire richesse de cette expérience» (Patrick Lechaux, Note de réflexion).


Lire l’intégralité de la Note de réflexion | Lien

 

Localização | Rua Junqueira, 188-198, 1349-001 Lisboa (Portugal)

ULL - Rua Junqueira

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Aula Aberta de Análise Conversacional | Doutoramento e Mestrado em Serviço Social da Universidade de Coimbra

COORDENAÇÃO DO MESTRADO : Prof.ª Doutora Helena Neves Almeida

QUESTÕES APROFUNDADAS DE INVESTIGAÇÃO SOCIAL

— AULA ABERTA —

Análise Conversacional : Considerações teóricas, práticas e éticas

Carla Mirelle Lisboa – Michel Binet

DIA 17 de novembro de 2017

14:00 – 16:15

16:30-18:45

Organização e Moderação : Prof. Doutora Helena Neves Almeida

Docência : Prof. Doutor Michel G. J. Binet & Doutoranda Carla Mirelle Matos Lisboa

Discentes : Aluno/as de Doutoramento e Mestrado em Serviço Social

LOCAL: SALA 2.3 DO EDIFÍCIO 2 DA FPCE

Michel Binet
Michel Binet – Carla Mirelle Lisboa – Helena Neves Almeida

 

 

 

 

 

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Encontro GEACC com Maria do Carmo Leite de Oliveira | 19/09/2017, 15h-17h30, na Universidade Lusíada de Lisboa

Encontro GEACC

com

Maria do Carmo Leite de Oliveira

Professora Adjunta da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Doutora em Linguística Aplicada

______________

Encontro

promovido no âmbito do

Seminário Interdisciplinar

de

Pragmática e Análises dos atos profissionais

Coord.

Alexandre Martins, Doutor em Sociologia || CICS.NOVA | ESECS-IPP

Helena Valentim, Doutora em Linguística || CLUNL | FCSH-UNL

Michel Binet, Doutor em Antropologia & Investigador em Serviço Social || CLISSIS | ESECS-IPP | ISSSL-ULL


Data | 3ª-feira, dia 19 de Setembro de 2017, das 15h às 17h30

Local | Universidade Lusíada de Lisboa, Sala 15P (Instalações ditas do Ar Liquido, Rua Quinta do Almargem 14B, a 5 minutos de distância a pé da Rua Junqueira)

Entrada livre

_________

Lições da caixa-preta

«Uma das funcionalidades de uma caixa-preta de avião é a de gravar a conversa da cabine dos últimos 30 minutos de voo, além do som dos motores e dos comandos em uso. É com base na análise dessa conversa que são identificadas falhas técnicas e humanas, importantes para esclarecer as razões da queda de um avião. É a partir dessa análise também que são feitas recomendações, como a de revisar e substituir equipamentos e/ou a de instituir programas de formação, com o objetivo de prevenir futuros acidentes» (Oliveira (de) & Ostermann, 2015: 111).

«Assim como é preciso ter uma competência em informática para atuar como um técnico de um help desk especializado em questões tecnológicas, é preciso ter uma competência interacional para exercer atividades centradas na fala.  (…) [É] preciso envolver especialistas em linguagem, mais especificamente linguistas aplicados, se quisermos qualificar a formação de profissionais cujas práticas dependem essencialmente do uso da linguagem» (Oliveira (de) & Ostermann, 2015: 113).

Fonte: Oliveira (de), M. do C. L. and Ostermann, A. C. (2015) ‘Lições da caixa-preta’, in Ostermann, A. C. and Oliveira (de), M. do C. L. (eds) Você Está Entendendo? Contribuições dos Estudos de Fala-em-Interação Para a Prática do Teleatendimento. Campinas, SP: Mercado de Letras, pp. 111–114.


PROGRAMA do ENCONTRO

15h-15h15 – Promover em Portugal um Seminário Interdisciplinar de « Pragmática e Análises dos atos profissionais » | Conferência de abertura de Michel G. J. Binet

15h15-16h – « Linguagem e Práticas profissionais : Produzir conhecimento de relevância prática » | Conferência de Maria do Carmo Leite de Oliveira

16h-17h – Ronda de apresentação das pesquisas desenvolvidas pelos membros do GEACC, subordinada ao tema da « Relevância prática dos estudos etnometodológicos » | Carla Mirelle Matos Lisboa, LinguistaCristina Coelho, Assistente socialDavid Monteiro, Linguista – Isabel de Sousa, Assistente social Michel Binet (IR), Antropólogo e Investigador em Serviço SocialVictor Braga, Investigador em Ciências da Comunicação

17h-17h30 – Discussão alargada

Michel Binet – Isabel de Sousa – Cristina Coelho – Maria do Carmo Leite de Oliveira – David Monteiro – Victor Braga – Carla Mirelle Matos Lisboa

Localização | Rua Junqueira, 188-198, 1349-001 Lisboa (Portugal)

ULL - Rua Junqueira

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Grupo de pesquisa FEI (Fala em Interação) | Análise da Conversa: o DNA das interações sociais

Página do Evento | Link

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Participação do GEACC no 14º Encontro DANASWAC (Copenhagen, 14-17/08/2017)

ICON - GEACC


DANASWAC’s 14th Meeting 

Copenhagen, 14 – 17 Augusto de 2017

________

Cabe este ano à Isabel de Sousa e à Cristina Coelho o prazer e a responsabilidade de representar o GEACC na 14ª edição do Encontro anual da rede investigativa DANASWAC, que tem lugar em Copenhagen, nos dias 14-17 de Agosto de 2017.


Sessions

  • Session 1: Exile and integration. (Chair: Carol Van Nijnatten)

Kari Bergset | Parenting in exile: Multivoiced narratives of changing parental practices

Tessa VerhallenTransnational Child Welfare and Protection Arrangements for Refugee Children

  • Session 2: Self-determination. (Chair: Heinz Messmer)

Johanna Ranta, Kirsi Juhila & Suvi RaitakariSelf-determination talk in a low-threshold outpatient clinic for drug users

  • Session 3: Cognitive impairment. (Chair: Åsa Mäkitalo)

Gudrun Dobslaw | Joint sessions attended by people with cognitive impairment, their parents and professional service providers

  • Session 4: Employment oriented social work. (Chair: Suvi Raitakari)

Tanja DallPerformance of role-responsibility in team decision making in social work meetings

Dorte CaswellImplementing labour market perspectives through talk – analysing institutional interaction in meeting talk between street level bureaucrats and hard-to- place unemployed

  • Session 5: Learning and expertise. (Chair: Eva Hjörne)

Åsa Mäkitalo & Nick HopwoodLearning and expertise in home visiting for parents of children at risk

Cristina CoelhoContributions to Social Work Collaborative Research

  • Session 6: Emotions. (Chair: Kirsi Juhila, Åsa Mäkitalo & Heinz Messmer)

Juliet Koprowska & Carol van NijnattenEmotion and Discourse

Ann-Carita Evaldsson & Eva HjörneAccounting for Migrant Children’s School Problems: Negative Affect, Accountability and Remedial Actions in Pupil Health Team Meetings

Eve Mullins & Steve Kirkwood | Groupwork programme for addressing sexual offending behaviour

Tone Jørgensen & Turid MidjoEmotional discourses and management of shame in meetings between child welfare workers and parents in child welfare cases

Pia H. Bülow & Monika WilińskaAlliances in making: Emotions and Micropolitics in multiparty return-to- work meetings

Heinz MessmerDoing Emotion: On the Management of Feelings in Communications about German Child Care Planning Conferences

  • Session 7: Social worker – child communication. (Chair: Stef Slembrouck)

Chris Hall & Michelle LefevreSocial worker – child communication during home visits

  • Session 8: Ethical work. (Chair: Stef Slembrouck)

Sarah Banks, Sirpa Saario, Jenni-Mari Räsänen,
Suvi Raitakari & Kirsi JuhilaSurfacing the ‘ethical’ in multi-party meetings in community mental health

Linnéa ÅbergStandardising and securing quality in integration work / This is important! Negotiating and processing “it is important to know…”, in order to secure the quality in immigrant civic integration interventions

Isabel de SousaThe attention to the Other in the daily practice of social workers

  • Session 9: Reflections DANASWAC and future plans. (Chair: Chris Hall)

Seminar discussion | Societal impact – is research on naturally occurring interactions helpful?


Para saber mais : DANASWAC

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Collecte d’un Corpus (CORINTE) (Baude, 2006)


Site dédié à la recherche sur les corpus de langue parlée en interaction | CORINTE

Recueil des données
Entrée sur le terrain
Définition du corpus dans CLAPI
La démarche ethnographique
Les réseaux d’acteurs sociaux concernés
Enjeux éthiques et juridiques
Autorisations et consentement éclairé
Demande d’autorisation
Document d’information remis aux enquêtés
Enregistrement des corpus d’interactions



«Le Guide que nous vous proposons s’est fixé pour premier objectif de fournir les informations nécessaires à la constitution de corpus de données orales ou multimodales, et d’offrir des propositions utiles concernant non seulement les aspects juridiques, mais aussi les aspects matériels touchant aussi bien à la collecte, qu’à la structuration et la mise en forme des données, qu’à l’exploitation, la communication et la conservation de ces données» (Baude, 2006: 26).

Données sollicitées / de «parole continue» (2006: 34-5)

Corpus fermés / ouverts (2006: 36)

«Il est rare que les corpus modernes soient composés de paroles « de tout venant ». Le choix des locuteurs et des situations d’enregistrement est généralement fixé en fonction des objectifs donnés au départ. Les chercheurs proposent de collecter des conversations entre adultes, des négociations professionnelles, des entrevues (préparées ou non), des prises de parole dans des organismes publics, des discours électoraux, des explications entre services publics et utilisateurs, des cours publics, des sermons, des discours politiques, des conférences (spécialisées ou de vulgarisation), des témoignages historiques, des récits de faits-divers, des récits de vie (produits par des individus, des groupes, des représentants de groupes, des porteparoles), des dialogues entre mères et jeunes enfants, des enfants enregistrés dans un contexte scolaire ou en dehors (dans leurs jeux ou dans leurs récits, en réponse à des tests ou en dehors, dans des situations scolaires ou non, dans des jeux libres ou contraints, avec parodie et jeux de rôles), des malades dans les hôpitaux, etc. Un exemple : une banque de données CLAPI (Corpus de Langue Parlée en Interaction) est constituée actuellement à Lyon (laboratoire ICAR) afin de réunir des corpus de « parole en interaction » les plus diversifiés possibles, dans des situations non provoquées par les chercheurs : conversations à table, concertations entre notaires, appels à des centres d’aide sociale d’urgence et à des consultations thérapeutiques, etc. Cette banque de données comporte 300 h. d’enregistrements audio et vidéo, des transcriptions et des « métadonnées » décrivant les caractéristiques des locuteurs» (Baude, 2006: 35).

«Les linguistes (…) ont souvent collecté des corpus « ouverts », qu’ils modifient au gré de l’avancement de leur travail, sans délimiter à l’avance un objet de recherche pré-déterminé, parce qu’ils sont certains de découvrir des phénomènes nouveaux, impossibles à prévoir au départ : répartition du langage formel et informel, relations entre grammaire et lexique, liens entre degrés de complexité de la syntaxe et type de situations de parole, utilisation de la morphologie orale, rôle des contextes dans la construction du sens des énoncés, rôle de la prosodie dans la structuration des textes, etc.» (Baude, 2006: 36).

«Une étude récente, fondée sur des enregistrements et transcriptions de quatre langues romanes (italien, français, portugais, espagnol) permet de comparer la prosodie (intonations, accentuations, rythmes), en tenant compte de différentes situations et différents médias (C-ORAL-ROM, Cresti & Moneglia)» (Baude, 2006: 41).

«Sur certains terrains, la constitution du corpus est le résultat d’une relation de confiance qui s’est établie entre le chercheur en tant que personne (et non pas en tant que représentant d’une communauté scientifique) et la communauté ou certaines personnes de la communauté, dans des contextes difficiles. La décision de diffuser le corpus au sein de la communauté scientifique ou plus largement (accessibilité par Internet) interroge l’éthique du chercheur, et ne relève plus du cadre juridique» (Baude, 2006: 43).

«Les problèmes juridiques de protection de la parole, qui ont longtemps été considérés, à tort, comme secondaires, sont actuellement des freins très importants: beaucoup de chercheurs refusent de faire circuler leurs corpus parce qu’ils ne sont pas sûrs d’avoir « les bonnes autorisations ». Beaucoup hésitent à en lancer de nouveaux, parce que la demande d’autorisations leur parait fondamentale mais difficile à accomplir. C’est pourquoi une réflexion collective sur cette question est maintenant indispensable» (Baude, 2006: 43-4).

«(…)les recherches sur la méthodologie de l’enquête ont conduit les chercheurs à considérer les données enregistrées comme étant le produit de la situation d’enquête par opposition à une conception de données préexistantes simplement (re)cueillies (Cameron et al., 1991)» Baude, 2006: 57).

Techniques d’enquête (Recueil et production de données) (2006:56-60): Questionnaire / Entretien / Recueil de contes, chants, etc. / Récits de vie / Enregistrement en laboratoire / Enregistrement d’activités provoquées / Enregistrement d’activités dans leur contexte ordinaire / Reprise d’enregistrements / Reprise d’enregistrements médiatiques

Proximité/distance

Rôles de l’enquêteur (extérieur, participant, engagé, membre, déguisé, “magicien d’Oz”)

Rôles des enquêtés (enquêté focalisé, périphérique, associé, “compère”)

Lieux

«Les recherches en sociolinguistique, analyse conversationnelle et analyse des usages des technologies (Computer Supported Cooperative Work ; Dialogue Homme Machine), s’intéressent au recueil de données en situation d’activité non orchestrée par le chercheur et non provoquée par ses consignes. Il s’agit ici d’activités telles qu’elles ont lieu de manière ordinaire, même en l’absence du chercheur. Ces activités peuvent être fort variées : réunions, activités professionnelles, demandes de renseignements, interactions téléphoniques, etc. Les techniques de collecte sont également très différentes. Elles vont de l’observation participante à l’enregistrement autorisé, en passant par l’utilisation « de personnes ressources » choisies au sein du groupe de pairs observés et en particulier chargées de porter le dispositif d’enregistrement (micro, éventuellement caméra). L’objectif partagé par ces techniques est la recherche de données en situation naturelle et suppose donc une méthodologie s’efforçant de minimiser les effets produits par les dispositifs d’enregistrement (Heath, 1997 ; Jordan & Henderson, 1995)» (Baude, 2006: 59).  —> p.68: Modalités d’enregistrement

Ref. | Baude, O. (ed.) (2006) Corpus oraux: Guide de bonnes pratiques. Paris: CNRS / Presses Universitaires d’Orléans.

 


Le GEACC sur la plateforme ORTOLANG

 

Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Missão no Brasil | Victor Braga (GEACC)

Investigador do GEACC, doutorando em Ciências da Comunicação  na FCSH-UNL, sob a dupla orientação científica de Adriano Duarte Rodrigues e Michel G. J. Binet, Victor Braga realiza em Maio uma Missão no Brasil :
 .

« Foi mu::::::::ito bom! » (Ana Cristina Ostermann)


Michel G. J. Binet

Professeur à l'ESECS-IPP (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre) et à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts