DOCÊNCIA – FORMAÇÃO

Formação inicial

Formação pós-graduada

Ações de Formação contínua / profissional

Formação na investigação em AC pela prática acompanhada da investigação em AC (Data Sessions)

Aulas abertas e Cursos especializados

 


Formação inicial

Em estreita articulação com as suas atividades investigativas, o GEACC desempenha em Portugal um papel pioneiro de introdução da Análise Conversacional etnometodológica  (ACE) na formação inicial dos Assistentes sociais, a partir das seguintes Unidades Curriculares dos Planos de estudo dos Cursos de Licenciatura em Serviço Social do Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa da Universidade Lusíada de Lisboa (ISSSL-ULL) e, entre 2016 e 2018, da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre (ESECS-IPP):

ISSSL-ULL | « Estruturas e Interação social », UC do 2º Ano Curricular, leccionada por Michel Binet (desde 2013)

ESECS-IPP | « Ética e Deontologia do Serviço Social », UC do 2º Ano Curricular, leccionada por Michel Binet e Elizabete Mendes (2016-2018)

É nestes contextos letivos que foram elaborados Recursos didáticos para o trabalho em sala de aula:


Formação pós-graduada

Orientação de Dissertações e de Teses

O GEACC introduz igualmente a ACE na formação avançada de Assistentes Sociais, mediante a orientação de Dissertações de Mestrado e de Teses de Doutoramento em Serviço Social, assente num Modelo de relações pedagógicas entre Orientador e Orientante, que, promovendo o reconhecimento da autoridade epistémica do profissional em sede de formação avançada, transforma e converte o profissional em co-investigador (Recherche praticienne), com formação prática e teórica cada vez mais aprofundada em Análise Conversacional etnometodológica (ACE). Por um trabalho de auto-observação e auto-análise guiado pelo orientador em sessões de co-análise conversacional do agir profissional, por auto-confronto acompanhado com gravações das suas próprias práticas profissionais, o mestrando e o doutorando aprendem a explicitar, refletir e valorizar cientificamente os seus próprios saberes profissionais construídos no exercício da profissão. Deste modo, os Estudos etnometodológicos promovem em sede de formação avançada uma co-construção de saberes envolvendo os profissionais como co-investigadores, que permite evitar o surgimento de uma comunidade cientifico-académica fechada sobre si mesma e saberes “livrescos”, cortados dos saberes construídos e aprimorados pelos profissionais na própria ação profissional.

Desenho : David Monteiro

___

Profissionais envolvidos neste dispositivo de formação avançada | Recherche praticienne ethnométhodologique

(por ordem cronológica)

Isabel de Sousa, Assistente social (Tese de Doutoramento em Serviço Social, que integra algumas contribuições da Análise Conversacional – Defendida em 2016)

Cristina Coelho, Assistente social (Tese de Doutoramento em Serviço Social – 2013-2017 – Não concluída)

Carla Mirelle Matos Lisboa, Interventora social em regime de voluntariado (Tese de Doutoramento em Estudos da Linguagem – Defendida em 2019)

Tânia Pinto, Assistente social (Dissertação de Mestrado em Serviço Social – Defendida em 2020)

Claire Jondeau, Assistente social (Tese de Doutoramento em Ciências da Educação – em curso de elaboração)


Ações de Formação contínua / profissional

Os saberes produzidos por análise conversacional (projetos da primeira geração, ou Projetos ACASS) e por co-análise conversacional (projetos da segunda geração, que têm por matriz paradigmática o Projeto CEA-CESF) são reconhecidos e valorizados pelo meio profissional, no plano da Formação contínua (ver abaixo).  Trata-se de um importante desenvolvimento das nossas pesquisas, que sai do quadro das atividades académicas clássicas.
Estamos, portanto, disponíveis para intervir como formadores no seio de serviços ou de IPSS, com ofertas formativas originais, assentes em dados autênticos (gravações anonimizadas de práticas profissionais) e métodos formativos ativos.
Para mais informações, entrar em contacto connosco.

Autoconfronto acompanhado e Investigação formativa em Serviço Social : Um Novo Desafio de cooperação entre meio profissional e meio académico a partir das contribuições cruzadas da Análise Conversacional etnometodológica (ACE) e da Entrevista de Explicitação fenomenológica (EdE).

PROGRAMME DE LA RECHERCHE – FORMATION
– Rencontres ADAC 2021–

“Mise en visibilité des savoirs de l’action des C ESF lors des
entretiens d’accompagnement social, par autoconfrontation
accompagnée : une co-recherche praticienne au sein de
l’ADAC”

Pour en savoir plus : Link

APSS, 29 Abril 2017, Lisboa | Ação de Formação « A Interação conversacional no Atendimento social » (Isabel de Sousa)


Formação na investigação em AC pela prática acompanhada da investigação em AC (Data Sessions)

As Sessões online de análise conjunta de dados conversacionais (Data Sessions), parte importante do plano de atividades que dinamizam a vida do Grupo, constituem um Espaço privilegiado de interformação, que potencia o acompanhamento e a capacitação de novos membros, sem ou com pouca formação prévia. Por esta via, o G-FEACC assume uma importante missão de formação inicial e avançada em Análise Conversacional, sem equivalente em Portugal.

Para saber mais : Link


Aulas abertas e Cursos especializados

CLISSIS, Curso de formação avançada em Métodos Qualitativos na Investigação social | Leccionação de um Módulo de Análise Conversacional (16 & 23 Novembro 2022, Online, 8 horas) (Michel Binet)

ISSSL-ULL, Programa de Doutoramento em Serviço Social, Seminário de Tese (Docente : Júlia Cardoso), 23 Outubro 2021, Lisboa | Aula aberta « Etnometodologia e Investigação qualitativa em Serviço Social : Uma introdução teórica e metodológica » (Michel Binet)

École Doctorale « Homme, Sociétés, Risques, Territoire » (ED 556 HSRT) de l’Université de Rouen Normandie, Formation doctorale «Orientations épistémologiques et méthodologiques des recherches portant sur l’analyse des activités professionnelles et des métiers » (Niveau 1), 3 Editions (25/03/2019 – 09/03/2020 – 10/05/2021), Rouen | Session formative 4 « Ethnométhodologie et recherche impliquée dans un champ de pratiques : la scientifisation du Travail social » (Michel Binet)

PUC-Rio, Programas de Pós-Graduação de Estudos da Linguagem e de Serviço Social, 21-22 Novembro 2018, Rio de Janeiro | Minicurso « Introdução à Análise da Conversa: Contribuições da experiência europeia na prática do Serviço Social » (Michel Binet)

ESECS-IPP, Licenciatura em Serviço Social, 5 Março 2018, Portalegre | Aula aberta « A intervenção social de rua ao microscópio : análise conversacional etnometodológica » (Carla Mirelle Matos Lisboa)

ISSSL-ULL, Licenciatura em Serviço Social, 7 Março 2018, Lisboa | Aula aberta « Por que gravar intervenções sociais ? Contribuições da Análise Conversacional etnometodológica para a prática profissional » (Carla Mirelle Matos Lisboa)

FPCEUC, Cursos de Doutoramento e Mestrado em Serviço Social, 17 Novembro 2017, Coimbra | Aula aberta « Análise Conversacional : Considerações teóricas, práticas e éticas » (Michel Binet & Carla Mirelle Matos Lisboa)

ULL, Mestrado em Arquitectura, 24 Outubro 2016, Lisboa | Aula aberta « Mapas cognitivos e Interações conversacionais  » (Michel Binet)




Formação inicial – Docência

Logo 1 ULusíada

Universidade Lusíada de Lisboa

Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa

ISSSL


Introdução da Análise Conversacional

na

Licenciatura em Serviço Social

Unidade Curricular | Estruturas e Interação Social

(2º Ano Curricular)

Docente | Prof. Doutor Michel G. J. Binet

Anos Letivos

2012-13 / 2013-14 / 2014-15 / 2015-16 / 2016-17 / 2017-18 / 2018-19

Ana Paula Silva, aluna do 2º ano curricular da Licenciatura em Serviço Social:

«Posteriormente, ao escutar com mais atenção [a gravação de um atendimento], fazendo pausas nos diálogos e escrevendo o que era dito, percebi que havia ali tanta informação sobre o trabalho diário da assistente social (…)». 

______________

Logo 1 ULusíada

Ano Letivo 2013-14

Unidade Curricular | Métodos Qualitativos (2º Ano Curricular / Licenciatura em Psicologia – IPCE)

Docente | Prof. Doutor Michel G. J. Binet

Orientação de três Trabalhos de Grupo: Transcrição e Análise da fala-em-interação em contextos profissionais


Logo 1 ULusíada 

Estruturas e Interação Social

Sumários

Ano Letivo 2012-13

ISSSL-ULL | Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa da Universidade Lusíada de Lisboa

Curso | Licenciatura em Serviço Social

Unidade Curricular | Estruturas e Interação Social (2º Ano Curricular)

Docente | Prof. Doutor Michel G. J. Binet

_________

19-02-2013

Apresentação da Unidade Curricular e Contrato pedagógico: Docente | Objectivos gerais e específicos | Programa | Avaliação | Recursos

Um duplo enfoque articulado nas estruturas e nas interacções sociais: uma introdução

21-02-2013

Escalas de análise e orientações metodológicas: abordagens quantitativas e qualitativas do social

Escalas e Definições das Unidades de análise: Macro (Sistema-Mundo, UE e Estados-Nações) | Meso (Organizações e Cadeias de interdependência funcional entre decisores e actores) | Micro (Situações de co-presença e Quadros de interacção cara a cara)

Macro-análise: Inquéritos por questionário e Estudos documentais (Métod. Quantit.)

Micro-análise: Alcance e limites das entrevistas (abordagem descontextualizada/ora) do ponto de vista do paradigma interaccionista (Métod. Qual.)

O.T.

Entrevistas dos alunos: interesses e motivações

Levantamento de temas de pesquisa, associados a experiências pessoais dos alunos e a terrenos de observação directa

_________

26-02-2013

Pesquisas de terreno e técnicas auxiliares de registo: o Estudo directo do comportamento humano situado.

Os Fundadores da sociologia e o Interaccionismo: reler Georg Simmel.

A Escola Francesa de Sociologia: Holismo e detalhes comportamentais

28-02-2013

Holismo e comportamentos localmente observáveis: os “fenómenos sociais totais” (M. Mauss).

Macro-história e microcomportamentos: leitura cruzada de Norbert Élias e de Erving Goffman

O.T.

Entrevistas dos alunos: interesses e motivações

A Etnografia visual: os contributos da fotografia na investigação empírica

Incentivo ao uso do Moodle (e-learning)

_________

05-03-2013

Laços comunitários e Laços societários (F. Tönnies): 1- Dois conceitos fundamentais para a análise das sociedades contemporâneas / 2- Dissolução dos laços comunitários e Coesão das sociedades saídas da Revolução Francesa: Uma questão fundadora da Sociologia e do Serviço Social

07-03-2013

Das macrodivisões, distinções e Habitus de classe às microlutas locais de (des)classificação: leitura cruzada de Pierre Bourdieu e de Erving Goffman

OT

Etnografias textual e visual: 1- Compete ao texto estabelecer / firmar o valor documental de cada fotografia | 2- Compete à fotografia fundamentar empiricamente / documentalmente as análises desenvolvidas no texto

Etnografia visual de um serviço social

Fotografia 1 – Horários de atendimentos e identificação de serviços: Informações escritas e Enquadramento/definição das interacções

Fotografias 2 & 3 – Espaços de trabalho e de atendimento: organização material do espaço e definições dos papéis interaccionais

Fotografias 5 & 6 – Cartaz de identificação das missões do serviço, da população-alvo (rostos, géneros, idades e línguas) e dos seus direitos

Fotografias 7 & 8 – Segregação espacial e divisão funcional das categorias de interactantes (Casas de banho separadas)

Fotografias 9 & 10 – Artefactos e Objectos pessoais como recursos de apropriação de um lugar (espacial e interaccional) em ambientes institucionais: Territórios do Nós e do Eu

Fotografia 12 – O grau zero de apropriação do espaço: as cadeiras dos atendimentos

Fotografia 13 – Poder de gestão do tempo e assimetrias de estatuto: a gestão ritual dos atrasos

Fotografia 15 – Partilha de equipamentos e Unificação funcional do Gabinete: a fotocopiadora

Fotografia 16 – Comensalidade e Unificação ritual do Gabinete: o microondas

Fotografia 18 – Regulamentação textual das interacções conversacionais

_________

12-03-2013
Introdução à Etnometodologia: um saber de 2º grau

Preparação da visita de David Monteiro (Doutorando em Linguística interaccional, sob a orientação de Lorenza Mondada; Investigador colaborador do GEACC-CLISSIS)

Competências e saberes procedimentais dos interactantes

14-03-2013 (com a participação de David Monteiro)

A organização sequencial das interacções e as suas implicações metodológicas: limites da fotografia e vantagens dos corpora de gravações/filmagens

Ética da investigação & Paradoxo do observador (Labov)

Cursos de acção e Crises disruptivas: uma dupla unidade de análise

O.T.

12-03-2013
Trabalhos dos alunos: delimitação de um objecto de estudo empírico em três passos

14-03-2013
Trabalhos dos alunos: delimitação de um objecto de estudo empírico em três passos / Exercício de Etnografia visual: o valor documental de uma fotografia para a análise da dimensão ritual dos comportamentos interaccionais

_________

19-03-2013
As interacções sociais analisadas por Erving Goffman à luz de quatro conceitos: jogo, teatro, cinema (frame analysis) e rito.

21-03-2013
Figuração (Face Work) e ritualização das interacções: Ritos negativos e positivos do tratamento do outro e de si nas interacções (Goffman; Brown & Levinson)

O.T.

19-03-2013
Actividades concertadas e Pano de fundo dos saberes partilhados: a indicação da localização de um serviço numa cidade desconhecida pelo interlocutor

21-03-2013
Dúvidas e Questões pedagógicas levantadas por alunos

_________

04-04-2013

Figuração (Face Work) e ritualização das interacções: Face Threatening Acts (FTA) & Face Flattering Acts (FFA) / Interacções orientadas para o equilíbrio ritual v/s Interacções agonais (Goffman; Brown & Levinson)

O.T.

Ética da investigação (pedidos de autorização) & Pessoas em situação de exclusão social: um dilema

Não redobrar a exclusão social mantendo pessoas e grupos à margem dos campos de visibilidade e de conhecimento resultantes da investigação

_________

09-04-2013
Apresentação do Website do GEACC-CLISSIS, Grupo de Investigação relacionado de perto com a unidade curricular

11-04-2013
A teoria goffmaniana da figuração e as suas articulações com outras teorias

O. T.

09-04-2013
Estudos das interfaces entre comportamentos humanos e dispositivos técnicos: Teoria do Actor-Rede (Latour) e análises sociotécnicas

11-04-2013
O pesquisador de terreno sem capa de invisibilidade: Vigilância epistemológica e Auto-análise das relações de inquirição

_________

16-04-2013

Preparação do teste (1)

Dissertações de desenvolvimento: dicas e critérios de avaliação

18-04-2013

Preparação do teste (2)

Revisão dos pontos principais da matéria

O. T.

Dúvidas (Preparação da matéria)

_________

30-04-2013 (Aula Teórica)

Retornos de avaliação da Prova escrita

Planeamento da segunda parte do semestre

02-05-2013 (Aula Teórica)

A organização em pares adjacentes das interações conversacionais

Primeira Parte do Par adjacente (PPP – Acto iniciativo) & Segunda Parte do Par adjacente (SPP – Acto reactivo)

Alternância de vez

A organização preferencial dos pares adjacentes: SPP preferida [produzida logo, no inicio do turno seguinte, sem pausa inter-turno] / SPP não preferida [quebra de adjacencialidade: pausa silenciosa inicial, pausa cheia (sinal de hesitação), justificação anteposta (account), SPP (não preferida)]

Projecção pela PPP (acto iniciativo) de um « slot », que convoca o alocutário a tomar a palavra num espaço de fala condicionada. Interagir é coagir e ser coagido: ao organizar a sua troca conversacional em pares adjacentes, os falantes exercem uns sobre os outros um poder de coerção (A fala-em-interação cabe na definição durkheimiana dos Factos sociais).

30-04-2013 (OT)
02-05-2013 (OT)

Devolução individualizada dos resultados de avaliação da Prova escrita

_________

07-05-2013

Relatos de atendimentos na segurança social, considerados do duplo ponto de vista de uma futura profissional e de uma utente: Depoimento e exposição de Conceição Prata, aluna do 3º curricular da Licenciatura em Serviço Social, convidada por iniciativa do docente

Aula filmada (multifilmagem): Duas Câmaras de filmagem (Docente / Manuel Santos)

09-05-2013

Análise e discussão da relevância da intervenção de Conceição Prata (ver aula anterior), do ponto de vista dos objetivos formativos da UC.

O.T.

Orientação de trabalhos individuais

_________

14-05-2013

Análise da endo-organização local em pares adjacentes da abertura conversacional de um atendimento de ação social (trecho de transcrição | Corpus ACASS)

16-05-2013

A Organização local das interações conversacionais:

-Os Pares Adjacentes, base de organização sequencial e preferencial (Revisão)

Noção de preferência e Implicações sequenciais das Segundas Partes dos Pares adjacentes (SPP): a boa resposta (SPP preferida) de um aluno a uma pergunta (PPP) de um professor encerra (ou leva ao encerramento mediante uma SCT – Sequence-Clothing Third) a sequência interacional organizada com base no Par adjacente Pergunta/Resposta (PPP/SPP); uma resposta sancionada como “errada” (SPP não preferida) prolonga a sequência interacional, mantendo em atividade a tarefa colaborativa de responder corretamente à pergunta do professor.

-O sistema de regulação da alternância de vez:

Gestão local do seguinte problema (emico: sentido como tal pelos próprios interactantes) interacional: “Como tomar a palavra sem interromper nem cortar ninguém?” (Invadir o território de fala do outro, lhe cortando a palavra, é um ato ofensivo | FTA)

Pontos de completude enunciativa (gramatical, semântica e/ou entoacional) funcionando como Pontos de transição relevante.

Intersincronização fina (ex.: recorrência de tentativas simultâneas de tomada da palavra em pontos de transição relevante nos grupos conversacionais)

-O sistema de sinalização e correção de “erros” (entre aspas: perspetiva emica): passível de ser ativado fora de um ponto de transição relevante

O.T.

Orientação de trabalhos individuais

_________

21-05-2013

A organização sequencial global das interações conversacionais: Abertura – Corpo principal – Encerramento/Fecho

Ritualização das aberturas e dos fechos interaccionais & Definição da relação de ajuda

Impactos dos primeiros e dos últimos segundos da interação

Entrada gradual e saída gradual do quadro interaccional

Definição das Identidades-em-presença e da sua relação

Fecho interaccional: inscrever o atendimento num processo que não terminou (Encaminhamentos / Agendar compromissos / Firmar acordos / Etc.)

23-05-2013

A Análise das operações de categorização na fala-em-interação (Membership Categorization Analysis): uma introdução

Construção social da realidade e Partilha-em-interação de categorizações ilusoriamente auto-evidentes

A categoria como motor de inferências (“etc.”)

O.T.

Exercício de análise conversacional de um trecho de gravação de um atendimento de ação social (Corpus ACASS; Binet, 2013: 314): a fase de Inquérito

A profissão de Assistente Social na interface da oralidade e da escrita

Textos regulamentares e deslocalização do poder: o atendimento e as suas arenas de validação

O registo escrito como tarefa colaborativa

Script e Par adjacente de base

Economia temporal da fala e Economia temporal da atividade não verbal: intersincronia fina / Sistema de co-gestão da alternância de vez & Pausas verbais ocupadas por uma atividade de registo

Empowerment do utente: participação ativa no registo escrito do seu depoimento e na fundamentação escrita de pedidos de ajuda (O Assistente Social como “Écrivain Public”)

O atendimento como interação assimétrica: poderes desiguais de ação emicamente legitima

_________

28-05-2013

Relatos de atendimentos num Centro de Emprego, considerados do duplo ponto de vista de uma futura profissional e de uma utente: Depoimento e exposição de Sofia Martins, aluna do 2º curricular da Licenciatura em Serviço Social

30-05-2013

Revisões e Preparação do Teste escrito

O.T.

Análise conversacional de trechos de transcrição de um Corpus de gravações de atendimentos de ação social (exercícios)

_________

 

 

Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-ULL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada de Lisboa) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Consultant - Formateur - Traducteur (portugais-français) - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Groupe d’Ethnométhodologie et d’Analyse Conversationnelle de la Clusivité sociale

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search