6-METODOGRAFIA (Oficinas)

Coord. | Michel Binet & Elisa Kern de Castro

Trata-se, nesta página web, de apresentar e de fundamentar sucintamente o projeto de criação e de dinamização de uma « Oficina de Metodografia » no seio do Lab-FEACC.

Esta Linha tem por motor um duplo projeto de investigação e de aplicação de conhecimentos, acumulados e consolidados no Lab-FEACC, mediante a prestação de um serviço de apoio a estudantes avançados e seus respetivos orientadores.

Retorno de uma estudante de Mestrado em Serviço Social

A co-análise desenvolvida pelo professor oferece uma abordagem inovadora e enriquecedora, para capacitar os alunos na arte da análise das entrevistas. 

Dou destaque a este projeto, pelo profissionalismo, pela mais-valia que estas análises entre estudante e professor trazem para o desenvolvimento das dissertações e teses, pelo olhar profissional e o trabalho dirigido e individualizado a cada estudante.

Para além deste olhar atento durante o trabalho da dissertação, este trabalho interacional ajudará na minha prática profissional, aplicando o conhecimento aprendido durante as sessões.

Aconselho, sem dúvida, que haja mais sessões (…) tanto para os alunos de Mestrado, como Doutoramento.

Abril 2024

Origem e sentidos lato e restrito do termo de « Metodografia »

O termo de « metodografia », no sentido lato, foi proposto como sinônimo de « etnometodologia » por Don H. Zimmerman e Melvin Pollner (1970: 95), proposta terminológica largamente aceite dentro da comunidade científica dos etnometodólogos (Psathas, 1989: 87). Com efeito, a etnometodologia (Garfinkel, 1967) é um vasto programa investigativo de descrição dos métodos (ou etnométodos) mobilizados pelos membros de uma comunidade para ordenar e co-ordenar as suas ações e interações, atividades de escala micro que constituem a infra-estrutura interacional da própria ordem social (Schegloff, 2006). O primado atribuído à descrição, peça central da epistemologia da investigação qualitativa (Wittgenstein, 1958: 17-20 ; Vermersch, 2000: 239-240 & 243), é o motor do desenvolvimento do principal ramo da etnometodologia : a Análise Conversacional (ou Análise da Conversação)[1] (Sidnell & Stivers, 2013).

No conjunto das abordagens qualitativas, a Análise Conversacional etnometodológica (AC) se singulariza pela sua rejeição da pesquisa de terreno por observação direta, realizada sem o auxilio de equipamentos de registo de som e de imagem, praticada pela maioria dos etnógrafos[2], em prol da coleta no terreno de corpora de gravações áudio ou vídeo. Um corpus de gravações gera um número infinito de re-escutas ou revisionamentos dos eventos interacionais registados no terreno. Os analistas conversacionais se libertaram assim de uma temporalidade irreversível, geradora de uma única oportunidade de observação de cada evento interacional. Com uma gravação, o tempo se torna reversível, o que potencia descrições extremamente precisas e detalhadas, que ultrapassam, e muito, as capacidades de percepção sensorial e de memorização da maioria dos pesquisadores de terreno.

A AC demonstra, desde o começo e, desde então, reiteradamente, que a descrição fina de um evento singular potencia a descoberta cumulativa e a descrição detalhada de etnométodos, saberes de ação, saberes procedimentais, modos de ação e de interação metodicamente organizados, que não pertencem única e exclusivamente ao evento singular que foi ou está a ser minuciosamente descrito. Esta reconciliação do método idiográfico[3] e do método nomotético na investigação qualitativa é particularmente patente em AC : os analistas conversacionais, por um lado, aperfeiçoaram convenções de transcrição que respeitam, com um rigor sem precedentes, o evento encarado da sua singularidade (método idiográfico), e, por outro lado, evidenciaram e formalizaram, pela via descritiva, uma ordem presente em todos os eventos conversacionais (Sacks, 1984: 23) (método nomotético), cujo poder ordenador e constrangedor é metaforicamente assimilada a uma maquinaria da conversação (Sacks, 1992: 169).

A heuristicidade e o alcance desta epistemologia, ou maneira de fazer ciência, explica o impacto considerável do artigo fundador da AC, publicado em 1974, muito além das fronteiras da comunidade científica formada pelos analistas conversacionais. Com efeito, este texto acabou por se tornar, até hoje, o artigo mais citado de toda a história da revista Language, prestigiosa revista da área das ciências da linguagem, que abriu as suas páginas e promoveu a sua publicação (Sacks, Schegloff & Jefferson, 1974).

O olhar micro-analítico treinado de um analista conversacional, informado por uma metalinguagem de descrição extremamente rica e precisa, tem um grande potencial de aplicação numa sub-área, identificada de longa data no seio do Lab•FEACC, sob a seguinte denominação : a Análise Conversacional das Relações de Inquirição (ACRI).
Numa data mais recente, o termo de « metodografia » tem sido usado neste sentido mais restrito, para se referir a um grande potencial de aplicação da AC, na renovação dos estudos metodológicos e das formações em métodos de investigação, nos vários domínios das ciências humanas e sociais (Greiffenhagen, Mair & Sharrock, 2011).

As práticas de entrevista, de administração de um questionário (Maynard et al., 2002), etc., são igualmente eventos interacionais que pertencem ao campo investigativo da AC.
As práticas de geração de dados são práticas sociais passíveis de serem, elas próprias, gravadas e estudadas. Uma tal démarche de auto-observação e de auto-descrição constitui uma contribuição extremamente valiosa para a adoção e manutenção de uma atitude de auto-vigilância epistemológica e crítica, condição sine qua non para o desenvolvimento de uma atividade científica.
O Lab-FEACC se situa plenamente nesta perspectiva, atribuindo aos seus dispositivos de geração de dados e de saberes o estatuto de meio de investigação e o de objeto de investigação. Observar e se auto-observar observando é proceder a uma mise en abyme das suas práticas investigativas, que, meio de investigação, se tornam, deste modo, também, objeto de estudos descritivos e analíticos muito detalhados, que mobilizam a metalinguagem da AC.
No Projeto CEA-CESF, o corpus de gravações de entrevistas de acompanhamento em ESF (Corpus 1) é submetido a Sessões de co-análise conversacional e explicitante, cuja gravação vídeo gera. por mise en abyme, um novo corpus (Corpus 2).

[Clicar para ampliar]
________
NOTAS :

[1] Análise da Conversa, em português do Brasil.

[2] Com uma exceção notável : a tradição do cinema etnográfico (France (de), 1989).

[3] Ortografia que não segue a ortografia comummente admitida em português.


A Análise Conversacional pode ser aplicada no âmbito de outras agendas investigativas que recorrem a diversos métodos de recolha de dados: pesquisas de campo, entrevistas, questionários, etc. Estes métodos envolvem relações de inquirição dotadas de uma dimensão interaccional constitutiva dos “dados” que recolhem e tratam. A Análise Conversacional destas relações de inquirição (ACRI) constitui uma exigência epistemológica de fundo, de elevada importância para investigadores ciosos de desenvolver uma ciência com consciência, que se dota dos meios de estudar os seus “dados” como artefactos interaccionais.

«To hold oneself back in the name of science is an unnatural posture. (…) The scientist’s white coat is not a cloak of invisibility. (…) Our effects on the scenes are not errors to be compensated for magically or embarrassments to be denied, but part of the phenomenon to be studied (…). Our participation always makes something happen. The ethnographer must study that something» (Moerman, 1992: 26).

Fonte: Moerman, M., 1992. Life after C.A. : An ethnographer’s autobiography. In G. Watson & R. M. Seiler, eds. Text in context. Contributions to Ethnomethodology. London: Sage, pp. 20–34.

 


 Bibliografia:

  • BINET, Michel; JONDEAU, Claire – Explicitation et co-analyse conversationnelle dans l’autoconfrontation accompagnée : Heuristicité d’un dispositif de co-recherche praticienne en Économie sociale familiale. In Colloque en hommage à Pierre Vermersch (Marseille, 13-14 Octobre 2022). Marseille : Université Aix-Marseille – CNRS, 14 out. 2022

  • BONU, Bruno – Procédures d’objectivation dans un entretien de recherche. Activités. 1:2 (2004) 86–102.
  • Fitch, K.L., 2006. Cognitive aspects of ethnographic inquiry. Discourse Studies, 8(1), pp.51–57.
  • Fratila, A. & Sionis, C., 2006. Activating memories in interviews: an instance of collaborative discourse construction. Discourse Studies, 8(3), pp.369–399.
  • Georgakopoulou, A., 2006. The other side of the story: towards a narrative analysis of narratives-in-interaction. Discourse Studies, 8(2), pp.235–257.
  • Greiffenhagen, C., Mair, M. and Sharrock, W. (2011) ‘From Methodology to Methodography : A Study of Qualitative and Quantitative Reasoning in Practice’, Methodological Innovations Online, 6(3), pp. 93–107.
  • Laforest, M., 1992. L’influence de la loquacité de l’informateur sur la production de signaux backchannel par l’intervieweur en situation d’entrevue sociolinguistique. Language Variation and Change, (4), pp.163–177.
  • Lambrou, M., 2003. Collaborative oral narratives of general experience: when an interview becomes a conversation. Language and Literature, 12(2), pp.153–174.
  • Lavin, D. & Maynard, D.W., 2001. Standardization vs. Rapport: Respondent Laughter and Interviewer Reaction during Telephone Surveys. American Sociological Review, 66(3), pp.453–479.
  • Maynard, D.W., Freese, J. & Schaeffer, N.C., 2010. Calling for Participation: Requests, Blocking Moves, and Rational (Inter)action in Survey Introductions. American Sociological Review, 75(5), pp.791–814.
  • Maynard, D.W. et al. eds., 2002. Standardization and Tacit Knowledge: Interaction and Practice in the Survey Interview, Hoboken: John Wiley & Sons.
  • Owens, E., 2006. Conversational Space and Participant Shame in Interviewing. Qualitative Inquiry, 12(6), pp.1160–1179
  • Paoletti, I., 2001. Membership categorization and time appraisal in interviews with carers of disabled elderly. Human Studies, 24, pp.293–325.
  • Psathas, G. (1989) Phenomenology and Sociology: Theory and Research. Lanham: The Center for Advanced Research in Phenomenology – University Press of America.
  • Roulston, K., 2006. Close encounters of the “CA” kind: a review of literature analysing talk in research interviews. Qualitative Research, 6(4), pp.515–534.
  • Sacks, H. (1984) ‘Notes on methodology’, in J.M. Atkinson and J. Heritage (eds) Structures of Social Action: Studies in Conversation Analysis. Cambridge: Cambridge University Press / Maison des Sciences de l’Homme, pp. 21–27.
  • Zimmerman, D.H. and Pollner, M. (1970) ‘The Everyday World as a Phenomenon’, in J.D. Douglas (ed.) Understanding Everyday Life: Toward the Reconstruction of Sociological Knowledge. Chicago: Aldine, pp. 80–103.

Michel G. J. Binet

Professeur Universitaire à l’ISSSL-UL (Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada) - Chercheur en Travail social - Docteur en Anthropologie - Analyste de Conversation - Coord. do Lab•FEACC - Chercheur Associé ADAC - Consultant - Formateur - Traducteur (portugais-français) - Membre du Conseil du GIS Hybrida-IS, Groupement d'Intérêt Scientifique en Travail social

More Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Laboratório de FENOMENOLOGIA, ETNOMETODOLOGIA e ANÁLISE CONVERSACIONAL da CLUSIVIDADE SOCIAL

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search